Internado em SP, governador da Bahia retira nódulo mamário

***FOTO DE ARQUIVO*** SALVADOR, BA, 16.01.2019 - Entrevista com Rui Costa (PT), governador reeleito com votação recorde em 2018 na Bahia. (Foto: Márcio Lima/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O governador da Bahia, Rui Costa (PT), 57, foi submetido a uma cirurgia neste domingo (5), no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo, para a retirada de um nódulo mamário e ginecomastia (aumento benigno da glândula mamária), identificados durante investigação médica realizada em dezembro passado.

Segundo informações da Secretaria de Comunicação Social da Bahia, ele permanece internado para recuperação e passa bem.

O estado de saúde de Costa é acompanhado pelo secretário estadual da Saúde, Fábio Vilas-Boas, que é médico dele há 25 anos. 

O secretário informou que, embora não exista indicação de malignidade, a equipe médica optou pela retirada bilateral das duas glândulas mamárias.

Costa procurou atendimento médico no final do ano passado após sentir dores no peito esquerdo. Exames identificaram um aumento benigno, mas doloroso, da glândula mamária esquerda. 

O cirurgião Marcelo Sampaio, do Sírio Libanês, afirma que homens também podem ter câncer de mama, embora isso seja raro. 

"Para cada 100 mulheres diagnosticadas com câncer de mama, há um homem com o mesmo diagnóstico. Normalmente, ele aparece em homens acima dos 60 anos e pode ser mais frequente em homens cujas famílias apresentam muitos casos de câncer de mama (mesmo que em mulheres)", disse.

Por isso, segundo o médico, é importante realizar exames de rotina e procurar atendimento especializado em caso de desconforto ou alteração no organismo. 

A mãe do governador, Maria Luíza dos Santos, morta há 25 anos, teve câncer de mama. A história dela costuma ser lembrada por Costa em pronunciamentos públicos.

A primeira-dama Aline Peixoto e a filha mais velha do casal estão no hospital ao lado do governador. 

Rui Gosta é hoje o principal nome do PT com cargo eletivo. A Bahia, estado governado pelo partido pela quarta vez seguida, é o quarto maior colégio eleitoral do Brasil e termômetro do comportamento do Nordeste -principal ilha regional de rejeição ao presidente Jair Bolsonaro. 

Em entrevista recente, o governador defendeu que o PT deixe de lado a polarização e pregue a pacificação do país, além de ajustar o discurso econômico.