Internado há dois meses, Maguito Vilela está em reabilitação

O Globo
·2 minuto de leitura
Foto: Reprodução/Instagram

RIO — O prefeito eleito de Goiânia, Maguito Vilela (MDB), internado desde antes das eleições para tratar complicações da Covid-19, está respondendo a estímulos e tem níveis de oxigenação satisfatórios, informou o boletim médico divulgado no início da tarde de ontem. Segundo o G1, o documento explicou ainda que o político está em diálise e reabilitação, segue traqueostomizado, com sedação leve e quadro clínico estável.

Maguito está internado há dois meses em um leito de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Albert Einstein, em São Paulo. Na última segunda-feira, o médico Marcelo Rabahi disse que a equipe trabalha na redução gradual da sedação. Além disso, informou que, quando Maguito desperta, ele consegue controlar por até uma hora o ventilador mecânico usado para auxiliá-lo na respiração.

Maguito testou positivo para o coronavírus em 20 de outubro. Dois dias depois, foi internado em um hospital de Goiânia, onde recebeu diagnóstico de que estava com até 75% de inflamação nos pulmões e foi transferido para São Paulo. No fim daquele mês, Maguito foi entubado pela primeira vez após piora no quadro respiratório. Em 8 de novembro, ele voltou a respirar sem o equipamento.

O político apresentou piora e voltou à ventilação mecânica em 15 de novembro, dia do primeiro turno das eleições. Quarenta e oito horas mais tarde, o emtão candidato iniciou o tratamento respiratório com o ECMO, máquina que imita as funções dos pulmões. No dia de segundo turno, ele sequer soube que ganhara as eleições para a prefeitura de Goiânia.

Recaída e cirurgia

Maguito chegou a ser transferido para um leito comum de UTI depois que testou negativo para a Covid-19, no começo deste mês, mas depois apresentou um sangramento nos pulmões e passou por uma cirurgia, que acabou desestabilizando a pressão arterial.

Em agosto, Maguito perdeu duas irmãs para a Covid-19 num intervalo de menos de dez dias. Elas tinham 82 e 76 anos e moravam em Jataí, cidade natal do político, no sudoeste de Goiás.