Internautas confundem arco-íris de álbum clássico do Pink Floyd com apoio à causa LGBT

Nesta quinta-feira (19), os perfis da banda britânica Pink Floyd nas redes sociais foram atualizados com uma imagem que faz referência aos 50 anos do álbum "The Dark Side of the Moon", lançado em março de 1973. A imagem traz, sobre um fundo preto, o prisma que aparece na capa do disco e o número 50 com o zero preenchido pelas cores do arco-íris, também presente na arte do álbum clássico.

"Rush!": Måneskin tenta a sorte no mundo com disco exaustivamente dançante

Flo: Com single de estreia fazendo sucesso em premiações e plataformas digitais "girl band" prepara primeiro disco

No entanto, alguns supostos fãs da banda interpretaram as cores do arco-íris como uma manifestação de apoio à comunidade LGBTQIAPN+ e reclamaram nos comentários. "A partir de agora, nunca mais ouvirei a banda", prometeu um. "Qual é a conexão entre a obra-prima do Pink Floyd e os LGBT???", questionou outro.

Um internauta ainda acusou os integrantes da banda de "wokes", termo em inglês usado para desmerecer militantes de causas progressistas. "Triste por ver uma banda que já foi grande se tornar totalmente WOKE!!! Eu amava sua música antes, NÃO VOU OUVIR AGORA!", disse.

Na verdade, a capa de "The Dark Side of the Moon" não possuiu nenhuma relação com a causa LGBTQIAPN+. A imagem foi idealizada pelos designers Aubrey Powell e Storm Thorgerson. Numa entrevista à Rolling Stone, em 2017, Powell explicou de onde veio a inspiração: “Eu estava olhando um antigo livro de física francês e tinha uma foto de um peso de papel de vidro com a luz do sol brilhando pela janela e isso criava um prisma de arco-íris. Storm olhou para mim e disse 'já sei: um prisma. Tem a ver com o Pink Floyd e seu show de luzes'."

O tecladista da banda, Richard Wright, havia pedido aos designers para criar algo simples, porém inteligente e clássico. A arte final foi assinada por George Hardie e pelo grupo britânico Hipgnosis.

Camaradagem: Parceiros no boteco e na melodia, Luiz Antonio Simas e Marcelo D2 lançam música juntos

Os 50 anos de "The Dark Side of the Moon" serão celebrados com o relançamento do álbum, em 24 de março. O disco, o oitavo gravado pelos britânicos, já vendeu mais de 50 milhões de cópias em todo o mundo. Também será publicado o livro "Pink Floyd: The Dark Side of the Moon: 50th Anniversary", que trará retratos inéditos da banda, feitos durante turnês realizadas entre 1972 e 1975, selecionadas pela fotógrafa Jill Furmanovsky.

Os fãs poderão participar das comemorações criando videoclipes para qualquer uma das dez faixas do álbum. Até 30 de novembro, é possível se inscrever no concurso pelo site www.pinkfloyd.com/competition/.