Internautas se revoltam contra enfermeira que espancou cachorro; ela se defende no Twitter

Redação Yahoo! Brasil

Milhares de internautas que ficaram indignados com a atitude da enfermeira de 22 anos, flagrada espancando o próprio cão Yorkshire, divulgaram os dados pessoais da mulher, como nome completo, endereço, nome da mãe, data de nascimento, CPF, telefones e perfis nas redes sociais, como Facebook e Twitter.  As imagens divulgadas não deixam claro se o cachorro morreu, mas o delegado que investiga o caso, Carlos Firmino Dantas, confirmou que o animal não resistiu aos maus tratos.

O vídeo foi postado no YouTube na quarta-feira (14). A brutalidade foi cometida na presença da filha dela, de aproximadamente 3 anos de idade, na cidade de Formosa, em Goiás. (Veja aqui).

Leia também:
Maus-tratos a cachorros mobilizam redes sociais e vão parar no MP

Palavras como “assassina”, “espancando”, “pancada”, “enfermeira”, “yorkshire” e “cachorrinho”  são algumas das mais citadas no microblog Twitter. Em outras redes sociais, a foto dela tem sido divulgada com a frase “Procura-se assassina”.

Enfermeira se defende
A enfermeira defendeu-se por meio do Twitter. “Estou dizendo por aí que sou uma monstra? Vocês não sabem o que eu passei com aquela peste”, argumenta.

“Sou tranquila, casada, amo meu marido, meu filho, meus cachorrinhos. Enfermeira por amor. Muuuito feliz”, diz o texto que a define no microblog.

Investigação
A Polícia Civil de Formosa abriu inquérito há 10 dias para investigar o caso após uma denúncia anônima. O delegado Carlos Firmino Dantas disse ao portal G1 que a mulher se apresentou na delegacia acompanhada de um advogado, mas não prestou depoimento. Ele ainda disse que a enfermeira afirmou que agrediu o animal porque estava em um “mau dia” e que o cachorro era "praticamente um monstro".

Caso ela seja processada e condenada, a pena pode chegar a até dois anos. Ela ainda pode ser denunciada com base no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) por ter agredido o animal em frente a uma criança.