Internet ‘gratuita’ do Facebook saiu do bolso dos usuários

·3 min de leitura
Facebook faz parceria com operadoras de celular em países em desenvolvimento como Indonésia, Filipinas e Paquistão para dar aos usuários internet gratuita. (Getty Images) (NurPhoto via Getty Images)
  • Facebook ofereceria internet gratuita em países acabou custando caro aos usuários

  • Sem saber, os consumidores estavam pagando por uma internet que deveria ser gratuita

  • Facebook afirma que já corrigiu o problema – em sua maior parte

O Facebook faz parceria com operadoras de celular em países em desenvolvimento como Indonésia, Filipinas e Paquistão para dar aos usuários internet gratuita a sites, incluindo a plataforma de Zuckerberg, mas os usuários estão sendo cobrados sem saber por seus provedores de celular, de acordo com um relatório do The Wall Street Journal.

Leia mais

O serviço, chamado Free Basics (Básico gratuito, em inglês), é oferecido por meio da Meta Connectivity (anteriormente Facebook Connectivity) e deve fornecer aos usuários “acesso a ferramentas de comunicação, informações de saúde, recursos educacionais e outros serviços de baixa largura de banda” gratuitamente. O programa existe desde 2013 e, em outubro passado, atende mais de 300 milhões de pessoas.

Em um relatório interno visto pelo WSJ, o Facebook supostamente sabia que os usuários estavam sendo cobrados pelo uso do Free Basics por meses e chama o problema de “vazamento”, pois ocorre quando os serviços pagos começam a se sobrepor ao que é gratuito. E como a maioria dos usuários atendidos pelo programa está em planos de telefone pré-pago, muitos deles não percebem que estão sendo cobrados pelo uso de dados móveis até ficarem sem fundos.

O WSJ observa que os usuários no Paquistão foram os mais cobrados por usar a internet “gratuita” do Facebook em um total de US$ 1,9 milhão (R$ 10,35 milhões), com cerca de duas dúzias de outros países também afetados.

Facebook faz parceria com operadoras de celular em países em desenvolvimento como Indonésia, Filipinas e Paquistão para dar aos usuários internet gratuita. (Reuteres)
Facebook faz parceria com operadoras de celular em países em desenvolvimento como Indonésia, Filipinas e Paquistão para dar aos usuários internet gratuita. (Reuteres)

Software do Facebook era a raiz do problema

O problema parece resultar do software e da interface do usuário (UI) do Facebook, com vídeos na raiz do problema. Vídeos não deveriam aparecer no Free Basics, mas falhas no software do Facebook deixam alguns escaparem. As notificações que deveriam informar ao usuário que ele será cobrado por assistir a vídeos também não aparecem. De acordo com os documentos vistos pelo WSJ, o Facebook descobriu que cerca de 83% das cobranças desnecessárias vêm desses vídeos, que realmente não deveriam aparecer em primeiro lugar.

O Facebook diz que já corrigiu o problema – em sua maior parte. “Dizemos às pessoas que a visualização de fotos e vídeos resultará em cobranças de dados quando elas se inscreverem, e fazemos o possível para lembrar às pessoas que visualizá-las pode resultar em cobranças de dados”, Drew Pusateri, porta-voz da Meta. “O problema identificado no relatório interno que afetou alguns desses lembretes foi amplamente resolvido. Continuaremos trabalhando com nossos parceiros para cumprir nossas obrigações com esses usuários e garantir cobranças de dados precisas e transparentes.”

Conforme apontado pelo WSJ, o crescimento do Facebook parou em grande parte nos mercados desenvolvidos e está aumentando apenas nos países de baixa conectividade. O Facebook tem atuado não apenas como um site social nesses países, mas também como provedor de internet. Ele implantou seu próprio Wi-Fi nesses países e introduziu o Facebook Discover, um recurso semelhante ao Free Basics, que fornece dados gratuitos limitados todos os dias. A Índia baniu o serviço Free Basics do Facebook em 2016, alegando que ele viola os valores da neutralidade da rede.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos