Interventor do DF garante que 'não haverá impunidade' a terroristas pró-Bolsonaro

Cappelli também falou sobre as informações que a intervenção já tem sobre os financiadores, além do desmonte dos acampamentos diante de QG do Exército

Nomeado por Lula, Ricardo Capelli, interventor do DF, prometeu punição aos terroristas pró-Bolsonaro que vandalizaram prédios do poderes no DF - Foto: MAURO PIMENTEL/AFP via Getty Images
Nomeado por Lula, Ricardo Capelli, interventor do DF, prometeu punição aos terroristas pró-Bolsonaro que vandalizaram prédios do poderes no DF - Foto: MAURO PIMENTEL/AFP via Getty Images

O secretário-executivo do Ministério da Justiça, Ricardo Cappelli, nomeado pelo presidente Lula (PT) interventor na segurança pública do Distrito Federal, em resposta aos atentados terroristas de domingo (8), disse que: ‘Não haverá impunidade, e vamos até as últimas consequências’.

A afirmação, do principal auxiliar do ministro Flávio Dino, foi feita durante entrevista concedida nesta segunda-feira (9), ao Jornal da Globo.

Cappelli, direto da sede da Academia Nacional da Polícia Federal, conversou com Renata Lo Prete sobre a consequência para os policiais que escoltaram os terroristas e até confraternizaram com eles.

O secretário-executivo também falou sobre as informações que a intervenção já tem sobre os financiadores, além do desmonte dos acampamentos diante de QGs do Exército, determinado pelo ministro do STF Alexandre de Moraes.

“A gente vai cumprir a lei até as últimas consequências, com equilíbrio e razoabilidade, para que fique claro que ninguém vai atentar contra o Estado Democrático de Direito no Brasil e isso vai ficar impune, que as pessoas vão atentar contra as instituições e não vão sofrer nada. Vão sofrer. Não haverá impunidade, e nós vamos até as últimas consequências. Já estamos fazendo identificação, lavrando os autos e encaminhando todos para as unidades prisionais”, disse o interventor.

Na noite desta segunda, em sessão extraordinária da Câmara dos Deputados, na noite desta segunda-feira (9), foi aprovado o decreto de intervenção na segurança do DF, assinado pelo presidente Lula no domingo (8). Agora, o texto segue para o Senado, onde a sessão para votar o decreto está marcada para as 11h.

A decisão foi uma resposta aos atos antidemocráticos ocorridos neste domingo em Brasília. Segundo a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), mais de 200 pessoas presas em flagrante foram encaminhadas para o Complexo Penitência da Papuda, nesta segunda-feira.

O ministro da Justiça, Flávio Dino (PSB), durante entrevista coletiva na tarde desta segunda-feira (9) disse que 209 pessoas foram presas em flagrante no domingo (8). E nesta segunda, cerca de 1500 pessoas detidas nos acampamentos estavam sendo ouvidas.