Interventor na Secretaria de Segurança do DF afirma que 'não há hipótese' de ataques violentos se repetirem

O interventor na Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal, Ricardo Cappelli, afirmou que "não há hipótese" de novos ataques violentos às sedes de instituições democráticas, como ocorridas no domingo passado. A declaração foi dada na entrevista coletiva concedida nesta quarta-feira, em que Cappelli fez críticas ao ex-secretário da pasta, Anderson Torres, alvo de um mandado de prisão por suspeita de omissão e que teria facilitado os ataques ao Congresso, ao Palácio do Planalto e ao Supremo Tribunal Federal.

Veja ainda: Moraes proíbe interrupção de trânsito em manifestações e determina prisão em flagrante para quem bloquear vias

Em vídeos: passo a passo evidencia conivência da polícia com invasão terrorista em Brasília

— Não há hipótese de se repetirem os atos de vandalismo. Quero tranquilizar a população e os servidores quanto a isto. O direito à livre manifestação sempre será garantido no Distrito Federal, mas isto não pode se confundir com terrorismo, ataques ao patrimônio público e à democracia. Quem agir em desalinho com o que é permitido será tratado com o rigor da lei.

Ex-ministro do governo do ex-presidente Jair Bolsonaro, Anderson Torres está nos Estados Unidos, de férias. De acordo com Ricardo Cappelli, ele viajou no próprio domingo, dia em que os terroristas invadiras os prédios do três Poderes em Brasília e protagonizaram cenas de depredação.

— Anderson Torres assumiu o cargo no dia 2, realizou diversas trocas de comando na Secretaria de Segurança e viajou no dia 8, o dia das invasões aos três poderes, para os Estados Unidos. Faltou comando. Eu tenho plena confiança nos homens das forças de segurança e sei que jamais se omitiram em cumprir os seus deveres.

Ele falou ainda sobre os novo atos bolsonaristas convocados para hoje. De acordo com Cappelli, no caso de Brasília, onde ocorreram os ataques no domingo, os manifestantes não serão autorizados a entrar na Esplanada dos Ministérios, tampouco se aproximar da Praça dos Três Poderes. Eles serão mantidos a cerca de 1 quilômetro do Congresso.

A medida está amparada numa decisão do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), que nesta quarta-feira proibiu a interrrupção do trânsito em todas as áreas urbanas do país, justamente para desestimular a realização de outras investidas terroristas.