Inundações no Paquistão afetaram mais de 30 milhões de pessoas, diz ministra das Mudanças Climáticas

Homem caminha em rua alagada em Dera Allah Yar, no bairro de Jafferabad, no Baluquistão, Paquistão

KARACHI, Paquistão (Reuters) - Chuvas de monções históricas e inundações no Paquistão afetaram mais de 30 milhões de pessoas nas últimas semanas, disse a ministra das Mudanças Climáticas do país nesta quinta-feira, chamando a situação de "desastre humanitário de proporções épicas induzido pelo clima".

O Paquistão pediu à comunidade internacional que ajude nos esforços de socorro, enquanto luta para lidar com as consequências das chuvas torrenciais que provocaram inundações enormes desde o mês passado, matando mais de 900 pessoas.

"Mais de 33 milhões foram afetados, de diferentes maneiras; o número final de sem-tetos está sendo avaliado", disse a ministra das Mudanças Climáticas, Sherry Rehman, à Reuters, em uma mensagem de texto.

Ela acrescentou que a província de Sindh, no sul, a mais atingida nos últimos dias, solicitou 1 milhão de barracas para as pessoas afetadas.

O ministro do Planejamento e Desenvolvimento, Ahsan Iqbal, disse separadamente à Reuters que 30 milhões de pessoas foram afetadas, um número que representa cerca de 15% da população do país do sul da Ásia.

O Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (Ocha) disse em uma atualização, nesta quinta-feira, que as chuvas de monção afetaram cerca de 3 milhões de pessoas no Paquistão, das quais 184 mil foram deslocadas para campos de ajuda humanitária em todo o país.

Os esforços de financiamento e reconstrução serão um desafio para um Paquistão sem dinheiro, que está tendo que cortar gastos para garantir que o Fundo Monetário Internacional aprove a liberação do tão necessário dinheiro do resgate.

(Reportagem de Syed Raza Hassan, em Karachi, Asif Shahzad, em Islamabad, e Reuters TV, em Hyderabad)