Invasão terrorista em Brasília é destaque nos principais jornais do mundo; veja capas

A invasão da sede dos três Poderes por apoiadores radicais do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), neste domingo, foi destaque na primeira página dos principais jornais do mundo nesta segunda-feira. Um dia após o atentado realizado por golpistas aos prédios públicos do governo, as edições impressas de importantes veículos estrangeiros como "The New York Times, "The Guardian" e "El País" trouxeram fotos das cenas de terrorismo presenciadas em Brasília.

Acompanhe ao vivo: bolsonaristas radicais invadem Congresso, Planalto e STF, sedes dos Três Poderes, em Brasília

'Ataque à democracia' e 'tentativa de golpe': Líderes internacionais reagem a invasões em Brasília

Nos Estados Unidos, o "The New York Times" publicou uma foto dos golpistas na Esplanada dos Ministérios ao lado da chamada "uma multidão frenética invade o congresso". A capa também relatou que "apoiadores de Bolsonaro denunciam fraude eleitoral sem provas", destacando que "o protesto se deu em razão do que eles falsamente alegam ter sido uma eleição roubada". A reportagem aponta ainda que "a violência é fruto de anos de teorias da conspiração do ex-presidente brasileiro e seus aliados de direita".

Na Câmara e no Senado: parlamentares vão propor CPI para apurar atos de terrorismo

O "The Wall Street Journal", um dos principais veículos de jornalismo econômico do mundo, afirmou que "Desordeiros pró-Bolsonaro invadiram o Congresso e o Tribunal Superior do Brasil", vestidos com as tradicionais cores verde e amarelo do país. A publicação ressaltou que os atentados aconteciam enquanto o presidente Lula se encontrava no interior do estado de São Paulo, na cidade de Araraquara, para analisar danos causados pela forte chuva que deixou o município em situação de emergência.

Na França, o "Le Monde" salientou que a democracia brasileira estava "abalada pelo ataque ao coração do poder", enquanto o britânico "The Guardian" comparou o ato à invasão do Capitólio, nos Estados Unidos, em 2021.

Já na Espanha, o "El País" escreveu que "milhares de seguidores radicais do ultradireitista Jair Bolsonaro não reconhecem o presidente legítimo que tomou posse há uma semana". Por fim, o argentino "La Nacion" caracterizou o episódio como "um ato de terrorismo anunciado".