Invasão da Ucrânia: veja seis possibilidades do que pode acontecer na região

·3 min de leitura
Tropas de Zelensky tentam impedir invasão da Ucrânia por forças russas
Tropas de Zelensky tentam impedir invasão da Ucrânia por forças russas (Foto: ANATOLII STEPANOV/AFP via Getty Images)
  • Invasão da Ucrânia pelos russos começou na última quinta-feira

  • Putin reconheceu territórios de Luhansk e Donetsk como independentes

  • À CNN analistas apresentaram seis possibilidades do que pode acontecer na região no futuro

Desde a última quinta-feira (24), a Rússia invadiu a Ucrânia e a situação na região é incerta. As tropas de Vladimir Putin estão na capital, Kiev, que sobre seguidos bombardeios. Ainda assim, o controle da cidade ainda está com os ucranianos.

Volodymyr Zelensky, presidente da Ucrânia, afirma que o país está se defendendo sozinho, sem o auxílio dos Estados Unidos. Segundo a inteligência do Reino Unido, as cidades chave ainda estão sob o controle dos ucranianos e a resistência foi maior do que o imaginado.

Os analistas de política internacional Nathan Hodge e Tara John afirmaram à CNN que há diversas possibilidades do que pode acontecer a seguir. Entre as seis hipóteses listadas, há a ideia de que Luhansk e Donetsk tornem-se uma “Crimeia 2.0” ou a instauração de um governo amigável à Rússia.

Conheça seis possibilidades do que poderia acontecer na Ucrânia após a invasão russa, segundo os analistas políticos:

Anexação da Crimeia 2.0

Antes de invadir a Ucrânia, Putin reconheceu a independência das regiões de Luhansk e Donetsk como repúblicas independentes e poderia anexar as regiões, onde há separatistas russos – isto é, forças independentes que se consideram russos e gostariam de deixar a Ucrânia.

Segundo Hodge e John, caso a Rússia consiga o controle da cidade de Odessa, onde há um porto importante, é possível acreditar que as tropas de Putin aumentariam o território anexado.

Dividir o território ucraniano

Putin declarou que vê os ucranianos e os russos como um só povo. Caso o presidente russo pense em dividir o país, a Ucrânia tenderia a ficar com o território ao oeste, enquanto a Rússia focaria as atenções para o lado leste.

À CNN, o historiador Alexander Etkind afirmou que a Ucrânia poderia ter um cenário similar ao da Alemanha durante a Guerra Fria.

Um estado pró-Rússia

Outra possibilidade ventilada pelos especialistas é que o governo de Volodymyr Zelensky seria deposto por forças russas. Com isso, Putin poderia colocar um governo pró-Rússia no comando da Ucrânia.

Ao longo desta sexta-feira (25), Vladimir Putin fez ofensas ao governo ucranianos e chamou autoridades do país vizinho de “viciados em drogas e neonazistas”. Apesar de Zelensky ter sido eleito de forma democrática, Putin sugere que ele não seja um presidente “legítimo”.

Ocupação sem violência

A Rússia alega que não quer fazer na Ucrânia uma ocupação. Ainda assim, é possível imaginar um cenário em que forças russas tentam impor regras próprias sobre o país invadido, mesmo sem o uso de força.

Essa decisão poderia minar pilares importantes da democracia ucraniana, como imprensa livre, liberdade para protestar e outras. Na Rússia, por outro lado, é comum que opositores sejam presos e a imprensa não tenha a mesma liberdade de atuação.

Ocupação violenta

Apesar da possibilidade de fazer uma ocupação não violenta, os analistas avaliam que há a possibilidade de uma ação mais violenta da Rússia sobre o território ucraniano, sem cuidado com os direitos humanos.

Na guerra da Síria, por exemplo, Putin apoiou o presidente Bashar al-Assad com força aérea, bombardeando grupos opositores e atingindo bairros inteiros neste processo.

República do medo

Na visão dos analistas, o governo Putin também poderia usar forças domésticas para prender opositores e dissidentes, para mantê-los fora da vida política.

Quando a Criméia foi anexada, em 2014, ucranianos que viviam no país tiveram de lidar com as forças russas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos