Invasão DF: Peritos usam DNA, drones e câmeras para identificar terroristas

Técnicas complementares ajudam a identificar bolsonaristas radicais que participaram dos atos de vandalismo

Manifestante detido na área externa do Palácio do Planalto durante invasão, um dos alvos dos ataques terroristas deste domingo (8) (REUTERS/Ueslei Marcelino)
Manifestante detido na área externa do Palácio do Planalto durante invasão, um dos alvos dos ataques terroristas deste domingo (8)

(REUTERS/Ueslei Marcelino)

  • Peritos da PF combinam técnicas complementares para identificar responsáveis por ataques no DF;

  • Entre elas, estão análise de DNA e de imagens obtidas por drones e câmeras de segurança;

  • Ministro Alexandre de Moraes também determinou medidas para encontrar os terroristas.

Peritos da Polícia Federal estão usando técnicas complementares e combinadas para identificar os terroristas que depredaram as sedes dos três poderes da República – Palácio do Planalto, Congresso e Supremo Tribunal Federal (STF) – neste domingo (8).

O objetivo é chegar ao nome dos bolsonaristas radicais que participaram dos crimes. Para isso, estão periciando:

  • Vestígios de DNA: Encontrados em itens pessoais deixados para trás, superfícies e armas usadas pelos terroristas;

  • Drones: os equipamentos da PF sobrevoaram ontem a Esplanada dos Ministérios enquanto os ataques aconteciam, de forma a identificar os responsáveis;

  • Câmeras de Segurança: imagens dos equipamentos instalados no circuito interno da Câmara, Senado, STF e Planalto serão analisadas.

Outras medidas

Por determinação do ministro Alexandre de Moraes, do STF, a PF também vai

  • Estudar listas de hóspedes em hotéis e pousadas de Brasília;

  • Examinar imagens das câmeras de segurança desses estabelecimentos;

  • Buscar dados de geolocalização dos golpistas;

  • Mapear os donos, passageiros e financiadores dos ônibus que trouxeram os apoiadores de Jair Bolsonaro (PL) a Brasília.

O ministro ainda determinou que sejam colhidos em 48 horas os depoimentos de proprietários de 87 ônibus que trouxeram bolsonaristas a Brasília e que os depoentes apresentem contratos, nomes de financiadores do transporte e a relação de todos os passageiros de cada veículo.

A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) terá que informar os registros de todos os veículos que ingressaram no DF entre a última quinta-feira e o domingo.

Em outra frente, Moraes exigiu das empresas de telecomunicações que armazenem por três meses os "registros de conexão suficientes para a definição ou identificação de geolocalização dos usuários", segundo a decisão.

Além disso, redes sociais como Instagram, Twitter, Facebook e TikTok terão que remover conteúdos que promovam atos antidemocráticos e suspender imediatamente a monetização dessas contas. O ministro listou 17 perfis de bolsonaristas que incitaram os atos de domingo nas redes sociais: 9 no Instagram, 3 no Facebook, 3 no Twitter e 2 no TikTok.