Invasão do Capitólio é destaque na imprensa internacional; jornal alega que Trump “incendiou” apoiadores

Anita Efraim
·1 minuto de leitura
Police hold back supporters of US President Donald Trump as they gather outside the US Capitol's Rotunda on January 6, 2021, in Washington, DC. - Demonstrators breeched security and entered the Capitol as Congress debated the a 2020 presidential election Electoral Vote Certification. (Photo by Olivier DOULIERY / AFP) (Photo by OLIVIER DOULIERY/AFP via Getty Images)
Apoiadores de Trump invadiram Capitólio; sessão do Congresso teve de ser suspensa (Foto: OLIVIER DOULIERY/AFP via Getty Images)

Em todo o mundo, a invasão do Congresso dos Estados Unidos por apoiadores de Donald Trump é destaque na imprensa. Os eleitores do republicano invadiram o Capitólio, sede do Congresso, que realizada a certificação de Joe Biden como presidente eleito do país.

As imagens de apoiadores de Trump invadindo o Capitólio estão nas capas de diversos jornais internacionais, com o Le Monde, da França. “Estados Unidos: apoiadores de Donald Trump entram no Congresso, certificação presidencial suspensa”, destaca a publicação francesa.

O Le Monde chamou a invasão de “demonstração de força” de apoiadores de Trump.

Já o Corriere Dela Serra, da Itália, ressaltou que o próprio Donald Trump “incendiou seus partidários ao proclamar Biden pela enésiva vez ‘presidente ilegítimo’”. Na manhã desta quarta-feira, 6, em Washington, o presidente discursou para seus apoiadores.

Leia também

O jornal italiano ainda destacou que Mike Pence, vice-presidente, teve de ser escoltado para fora do edifício do Congresso. Pence não aceitou o pedido de Trump para impedir a vitória de Biden.

A invasão do Capitólio ainda foi destaque na Deutch Welle, da Alemanha, falou sobre a violência dos manifestantes, assim como o El País, da Espanha. Já o britânico The Guardian destacou a fala do senador republicano Mitch McCornell, que afirmou que há uma “espiral da morte” da democracia nos Estados Unidos.

O jornal Clarín, da Argentina, classificou a situação como de “máxima tensão” nos Estados Unidos e destacou os embates entre militantes trumpistas e policiais.