Investigado, Bolsonaro volta a criticar ministros do STF: 'Quem é que esses dois (Barroso e Moraes) pensam que são?'

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O presidente Jair Bolsonaro voltou a fazer nesta quarta-feira ataques aos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso, questionando "quem eles pensam que são". Bolsonaro também acusou Moraes de agir fora da Constituição e disse que Barroso entende de "terrorismo".

Bolsonaro é alvo de cinco inquéritos no STF — quatro deles relatados por Moraes — e de um inquérito administrativo no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), presidido por Barroso.

— Quem é que esses dois pensam que são? Quem eles pensam que são? Vão tomar medidas drásticas dessa forma, ameaçando, cassando liberdades democráticas nossas, a liberdade de expressão. Porque eles não querem assim, porque eles têm candidato. Os dois, nós sabemos, são defensores do Lula, querem o Lula presidente — disse Bolsonaro, em entrevista ao canal Gazeta Brasil.

No ano passado, Bolsonaro passou semanas fazendo diversos ataques ao STF, especialmente a Moraes e Barroso. O auge ocorreu durante uma manifestação realizada no dia 7 de setembro, quando o presidente chamou Moraes de "canalha" e disse que não iria mais cumprir as decisões dele.

Dois dias depois, no entanto, o presidente divulgou uma nota dizendo que as declarações ocorreram "no calor do momento". Bolsonaro também conversou com Moraes por telefone.

Nesta quarta-feira, Bolsonaro criticou uma declaração de Moraes durante o julgamento no TSE da sua chapa nas eleições de 2018. Apesar da chapa ter sido absolvida, o ministro disse que se houver repetição do que ocorreu em 2018 nas próximas eleiçoes, "o registro será cassado" e as pessoas que fizerem isso "irão para a cadeia".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos