Iota deixa 11 novos mortos em Honduras e Nicarágua; total sobe para 25

·1 minuto de leitura
Rodovia destruída pelas fortes chuvas provocadas pelo ciclone Iota em El Progreso, Honduras, 18 de novembro de 2020
Rodovia destruída pelas fortes chuvas provocadas pelo ciclone Iota em El Progreso, Honduras, 18 de novembro de 2020

Seis pessoas morreram em um deslizamento e em inundações na Nicarágua e outras cinco, soterradas em casa em outro deslizamento em Honduras, elevando a 25 o total de mortos na violenta passagem do ciclone Iota pela América Central, informaram as autoridades nesta quarta-feira (18).

As vítimas em Honduras morreram nesta quarta soterradas em uma residência na aldeia El Trapiche (noroeste), no deslizamento causado pelas chuvas provocadas por Iota, informou o corpo de bombeiros.

Na Nicarágua, foram localizados três corpos em um deslizamento no departamento de Matagalpa (norte) e outras três pessoas morreram em inundações no departamento de Carazo (oeste), informou a vice-presidente Rosaro Murillo.

Desta forma, sobem para 16 os mortos na Nicarágua, o país mais castigado pelo Iota.

"Infelizmente, já contabilizamos 16 pessoas falecidas", disse Murillo em sua fala diária a meios de comunicação oficiais.

Os cinco mortos no deslizamento em Honduras são as primeiras vítimas neste país na passagem do poderoso ciclone que tocou o solo no Caribe nicaraguense na segunda-feira e se dissipou nesta quarta sobre El Salvador.

"Morreram cinco membros da mesma família, três crianças e dois adultos, em um deslizamento que caiu sobre uma casa", em El Trapiche, em Honduras, disse o tenente Abdul Orellana, do corpo de bombeiros local.

As outras vítimas na passagem de Iota foram registradas em Panamá, El Salvador e no arquipélago colombiano de San Andrés, Providência e Santa Catalina.

bm-nl/mas/rsr/mvv