Irã adverte França por charges 'insultantes' contra Khamenei

O Irã avisou nesta quarta-feira (4) à França que irá reagir, após a publicação pelo jornal satírico francês "Charlie Hebdo" de charges que considerou "insultantes" sobre o líder supremo daquele país, aiatolá Ali Khamenei.

O semanário publicou dezenas de ilustrações que representam a personalidade religiosa e política mais importante do país asiático.

São caricaturas selecionadas em um concurso lançado em dezembro devido à onda de protestos no Irã, desencadeada após a morte, em 16 de setembro, de Mahsa Amini, uma curda iraniana que foi detida por supostamente descumprir o rígido código de vestimenta das mulheres no país.

"O ato insultante e indecente de uma publicação francesa de difundir caricaturas contra a autoridade religiosa e política não ficará sem uma resposta efetiva e firme", declarou o ministro das Relações Exteriores iraniano, Hossein Amir-Abdollahian, no Twitter.

"Não permitiremos que o governo francês cruze a linha. Definitivamente, escolheu o caminho errado", acrescentou Amir-Abdollahian.

Autoridades iranianas convocaram o embaixador francês em Teerã, Nicolas Roche. O Irã "considera o governo francês responsável por esse ato de ódio e insulto injustificado", declarou o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Naser Kanani.

Questionado sobre o assunto, o porta-voz do Departamento de Estado americano, Ned Price, declarou que os Estados Unidos estão "do lado da liberdade de expressão, seja na França ou no Irã".

Em dezembro, o Charlie Hebdo anunciou que o "concurso internacional para produzir caricaturas" de Khamenei tinha como objetivo apoiar os "iranianos que lutam por liberdade".

O editor-chefe da publicação, Laurent Sourisseau, conhecido pelo nome "Riss", declarou em um editorial que as caricaturas eram "uma maneira de mostrar nosso apoio às iranianas e aos iranianos que colocam sua vida em perigo para defender sua liberdade diante de uma teocracia que os oprime desde 1979".

O Irã afirma que centenas de pessoas, entre elas membros das forças de segurança, morreram, e que milhares foram presas no que classificam como "distúrbios". Teerã acusa as potências estrangeiras e grupos de oposição de incitarem esses protestos.

O Charlie Hebdo publicou as charges em uma edição especial pelo aniversário do ataque mortal a sua redação de Paris, em 7 de janeiro de 2015. O atentado foi cometido por agressores que afirmavam estar agindo em nome da Al-Qaeda como vingança à decisão da revista de publicar caricaturas do profeta Maomé.

A divulgação desses desenhos provocou reações de ira nos países muçulmanos, mas o atentado de 2015 contra os profissionais da revista acabou gerando uma onda de solidariedade em todo o mundo.

pdm/rsc-sag/an/rpr/am/lb