Irã não voltará aos compromissos do acordo nuclear até que EUA suspenda as sanções

·2 minuto de leitura
O líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei

O líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, afirmou neste domingo que primeiro o governo dos Estados Unidos deve suspender "completamente" as sanções contra seu país, antes que a República Islâmica volte a assumir os compromissos determinados pelo acordo nuclear.

"Se querem que o Irã volte a seus compromissos (...) Estados Unidos devem suspender completamente as sanções, e não apenas de forma retórica ou no papel", afirmou Khamenei em um discurso para comandantes da Força Aérea.

"Depois verificaremos se, de fato, as sanções foram corretamente suspensas", acrescentou o líder supremo iraniano.

O acordo nuclear de 2015 - com a participação dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU, Reino Unido, China, França, Rússia e Estados Unidos, além da Alemanha - está por um fio desde que Washington abandonou o pacto em 2018 durante o governo de Donald Trump.

O Plano de Ação Integral Conjunto (PAIC) tem como objetivo impedir que o Irã tenha armas nucleares, em troca da suspensão das sanções internacionais que asfixiam a economia do país.

Mas a República Islâmica respondeu ao retorno das fortes sanções americanas com o descumprimento progressivo de sua parte no acordo.

Todos os olhares estão voltados agora para a nova administração americana, do presidente Joe Biden, que afirma ter disposição para retornar ao acordo, mas com uma condição: que Teerã encerre todas as violações antes.

No início de fevereiro, o ministro iraniano das Relações Exteriores, Mohammad Javad Zarif, solicitou à União Europeia (UE) que coordenasse um retorno sincronizado de Washington e Teerã.

O governo dos Estados Unidos, no entanto, considerou que era muito cedo para aceitar a proposta iraniana e retomar o acordo sobre o programa nuclear.

Khamenei declarou que o Irã tem o "direito de fixar as condições da continuidade" e não os Estados Unidos e os três membros europeus do acordo - França, Reino Unido, Alemanha - que "violaram seus compromissos".

amh/kam/fz/me/fp