Irã se opõe às negociações entre EUA e os talibãs

Ali Shamkhani, principal oficial de segurança do Irã (C), representou a República Islâmica em uma reunião de altos oficiais de segurança nacional do Irã, Rússia, Uzbequistão, Tajiquistão, Afeganistão, China e Índia, em Teerã

O Irã expressou nesta quarta-feira sua oposição às negociações em andamento entre os Estados Unidos e o Talibã porque não incluem o governo e o povo do Afeganistão.

"Nós nos opomos às negociações entre os Estados Unidos e o Talibã", disse o contra-almirante Ali Shamjani, secretário do Conselho Supremo de Segurança Nacional do Irã, durante uma entrevista coletiva em Teerã.

"Qualquer decisão, qualquer plano sem a participação do povo afegão é uma péssima estratégia ... destinada ao fracasso", disse ele, lembrando que as negociações são realizadas "na ausência do governo afegão".

"Os talibãs são uma realidade do povo afegão que não pode ser ignorada. Mas todos os afegãos são talibãs? Não!", acrescentou.

O almirante Shamjani fez essas declarações após uma reunião em Teerã com altos oficiais de segurança nacional de sete países (Afeganistão, China, Índia, Irã, Uzbequistão, Rússia e Tajiquistão) dedicada ao Afeganistão.

Shamjani acusou os Estados Unidos de usar a situação no Afeganistão para "criar insegurança nas fronteiras do Irã, Rússia e China".

Os Estados Unidos anunciaram na semana passada uma "breve pausa" nas negociações em Doha com o Talibã, após um ataque a uma base americana no Afeganistão.