Irã vai reativar reator nuclear de Arak para fins de pesquisa

·2 minuto de leitura
(Arquivo) Autoridades da área de energia nuclear iraniana visitam reator de Arak, ao sul de Teerã, em 23 de dezembro de 2019 (AFP/Ho)

O presidente da Comissão de Energia do Parlamento iraniano anunciou que o reator nuclear de Arak, parado em função do Acordo de Viena de 2015, será reativado dentro de um ano para ser dedicado à pesquisa.

O acordo nuclear internacional de 2015 prevê a reconfiguração e reconstrução do reator de água pesada de Arak para transformá-lo em um reator de pesquisa, incapaz de produzir plutônio para uso militar.

Citado pela agência de notícias Fars no domingo (3), Mostafa Nakhai declarou que "o reator Arak IR-20 será lançado dentro de um ano".

O diretor da Organização Iraniana de Energia Atômica Iraniana (OIEA), Mohamad Eslami, declarou em setembro que queria reativá-lo "o mais rápido possível" para fins de pesquisa.

Em abril, a OIEA disse que os testes a frio do reator IR-20 poderiam começar na primeira metade do ano iraniano, iniciado em 21 de março.

De acordo com o porta-voz da OIEA, Behruz Kamalvandi, "o reator geralmente entra em operação um ano após os testes de frio".

Em dezembro de 2020, o Parlamento iraniano aprovou um projeto de lei que relança a reconstrução do reator de Arak, aprovado antes da conclusão do acordo nuclear internacional que regulamentaria o programa nuclear de Teerã.

No âmbito deste acordo assinado em 2015, em Viena, pelo Irã e o Grupo P5+1 (China, Estados Unidos, França, Reino Unido, Rússia e Alemanha), Teerã se comprometia a reconstruir o reator de água de Arak.

Além disso, o IR-20 deveria ser transformado em um reator de pesquisa, e o Irã limitaria o enriquecimento de urânio a 3,67%, em troca do levantamento das sanções adotadas pelo Conselho de Segurança da ONU, pelos Estados Unidos e pela União Europeia (UE).

Segundo um relatório da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) de 2016, o núcleo do reator foi removido, conforme estipulado pelo Acordo de Viena, e concreto foi derramado nele para que não pudesse funcionar.

Em 2018, porém, os Estados Unidos se retiraram do Acordo de Viena, restabelecendo suas sanções contra o Irã. Depois dessa reviravolta, Teerã alertou que isso iria desacelerar a remodelação do reator de Arak.

As negociações entre Teerã e as principais potências mundiais para reativar o acordo de 2015 estão paralisadas.

sk/ap/feb/erl/zm/tt

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos