Irmã de fuzileiro naval desaparecido há 4 dias em São Gonçalo faz apelo: ‘Qualquer detalhe sobre o caso é importante’

Pâmela Dias*
·3 minuto de leitura

RIO — A irmã do fuzileiro naval da Marinha desaparecido há 4 dias, em São Gonçalo, Região Metropolitana do Rio, faz apelo para que quem tiver informações sobre o militar, entre em contato com a polícia e familiares. A vítima, identificada como Matheus Filipe Coelho dos Santos, de 24 anos, desapareceu na última quinta-feira (11), após retornar do trabalho. Até o momento, não há informações sobre o seu paradeiro e o motivo do desaparecimento.

A última pessoa a falar com o fuzileiro foi a mãe, na quinta-feira à noite. Desde então, Matheus Filipe não atende o celular e não manda notícias à família. Vizinhos relataram terem visto a vítima saindo de casa, no bairro Pacheco, mas não souberam informar para onde o militar foi.

Segundo a irmã Andressa Coelho, o jovem é uma pessoa muito querida, pai de uma menina de quatro anos e não apresentava nenhum problema que justificasse o sumiço.

— Está sendo muito difícil para nós. Todo mundo sempre fala que ele é muito bom e tudo o que queremos é saber onde meu irmão está. Por isso eu peço, qualquer detalhe sobre o caso é importante, alguém que tenha visto ele ou qualquer outra novidade, entre em contato com a gente.

Neste domingo (14), um corpo foi encontrado no banco traseiro de um veículo, totalmente carbonizado, em Monjolos, São Gonçalo. A Delegacia de Homicídios de Niterói, Itaboraí e São Gonçalo (DHNISG), que investiga o caso, aguarda informações da Marinha para iniciar a perícia, pois nem a polícia, nem a família confirmaram que o cadáver era do fuzileiro.

Os agentes não descartam a possibilidade da vítima ser Matheus Filipe, pois o carro carbonizado foi encontrado cerca de 6 quilômetros a frente de onde o militar foi visto pela última vez por pessoas da região. Até o momento, a DHNISG ouviu os familiares da vítima e está checando imagens de câmeras de segurança para tentar achar pistas que levem até o jovem.

— Solicitamos à Marinha a ficha odontológica do fuzileiro, para realizar a comparação da arcada dentária. Caso não seja possível, chamaremos a família para realização de exame de DNA. Como o corpo foi encontrado em área de risco e pela vítima ser militar, a nossa primeira linha de investigação tem sido analisar se o corpo encontrado é do fuzileiro — apontou o delegado responsável pelo caso, Mário Lamblet.

A Marinha do Brasil também está auxiliando a Polícia Civil nas investigações. Segundo nota divulgada pela corporação neste domingo (14), no dia do desaparecimento do militar (quinta-feira), ele se apresentou para servir no 1º Batalhão de Infantaria de Fuzileiros Navais e foi licenciado normalmente na ocasião, após a conclusão do Curso de Especialização.

Nas redes sociais, amigos e conhecidos também fazem apelo, pedindo que quaisquer informações sejam enviadas por telefone. Em solidariedade, correntes de orações se formaram nas páginas, para que a vítima seja encontrada em segurança.

— Meu Deus, o ajude aonde ele estiver, proteja seu filho pai, traga-o de volta para sua família — comentou um amigo no perfil do Facebook do militar.

— Rapaz responsável e trabalhador. Quem puder, ajude compartilhando, e se tiver notícias, avisem por favor — comentou outra amiga.

Qualquer informação pode ser repassada à polícia através do Disque-denúncia (2253-1177) ou através dos telefones dos familiares do jovem (21) 96933-4474 ou 97389-2955.

*Estagiária sob supervisão de Vera Araújo.