Irmã de Kim Jong Un realiza visita histórica à Coreia do Sul

Por Jung Ha-Won
1 / 2
A irmã do líder da Coreia do Norte, Kim Yo Jong, ao chegar para cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno em Pyeongchang, em 9 de fevereiro de 2018

A irmã do líder norte-coreano Kim Jong Un juntou-se nesta sexta-feira (9) aos atletas e líderes mundiais nos Jogos Olímpicos de Inverno de Pyeongchang, na primeira visita de um representante da dinastia no poder na Coreia do Norte ao grande rival do Sul desde o fim da guerra.

Kim Yo Jong viajou acompanhando o chefe de Estado honorário da Coreia do Norte, Kim Yong Nam, que oficialmente lidera a delegação diplomática do país nos chamados "Jogos da Paz".

Ao chegar no Estádio de Pyeongchang, o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, aproximou-se do lugar onde a delegação norte-coreana estava e apertou a mão de Kim Yo Jong.

O presidente sul-coreano e a norte-coreana já haviam se cumprimentado em uma recepção para os líderes mundiais presentes em Pyeongchang. Os representantes dos dois Estados rivais, visivelmente relaxados, trocaram sorrisos enquanto apertavam as mãos.

O vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, deixou o evento antes do final, para evitar o encontro com os norte-coreanos, de acordo com a televisão sul-coreana.

Kim Yo Jong e o resto da delegação do Norte chegaram horas antes em um avião Iiyushin-62 com a inscrição "República Democrática Popular da Coreia", o nome oficial do regime de Pyongyang, que aterrissou no aeroporto de Incheon, perto de Seul.

O último membro da família Kim a viajar ao Sul da península foi o avô de Kim Yo Jong, Kim Il Sung, fundador do regime de Pyongyang, durante a incursão bélica de 1950.

Ambos os países, tecnicamente ainda em guerra apesar do cessar-fogo, estão divididos por uma Zona Desmilitarizada (DMZ).

Atualmente, a Coreia do Norte está sujeita a múltiplas sanções da ONU em razão de seus programas nuclear e balístico. Em 2017, lançou vários mísseis e testou o que apresentou como uma bomba de hidrogênio.

Em contrapartida, a Coreia do Sul emergiu como a 11ª maior economia do mundo.

- Ascensão fulgurante -

Kim Yong Nam e Kim Yo Jong, ambos vestidos com casacos escuros, foram recebidos pelo ministro sul-coreano da Unificação.

Esta visita, que durará três dias, faz parte de uma aproximação sem precedentes entre os dois países após dois anos de grande tensão.

O presidente sul-coreano Moon Jae-in foi quem cunhou o termo "Jogos da Paz" e espera fazer com que os Jogos Olímpicos encorajem o Norte a dialogar sobre o desarmamento nuclear.

Ao se tornar o primeiro membro da dinastia no poder na Coreia do Norte a visitar o vizinho do Sul, a irmã mais nova de Kim Jong-Un reafirmou sua ascensão dentro do regime.

Em outubro, ao ascender ao poderoso politburo do partido único da Coreia do Norte, Kim Yo Jong se tornou a figura feminina mais influente da hierarquia política desse país.

- 'Encanto ofensivo' -

Na cerimônia de abertura dos Jogos, 22 membros da delegação norte-coreana desfilaram com seus vizinhos sul-coreanos sob uma bandeira da unificação, com o mapa da península em azul sobre um fundo branco.

Então, duas jogadoras da equipe de hóquei sobre o gelo participaram da cerimônia de iluminação da pira olímpica.

Uma equipe unificada de hóquei sobre o gelo vai competir nesta edição com jogadoras de ambos os países.

O vice-presidente dos Estados Unidos criticou "o que o primeiro-ministro (japonês) Abe chamou com razão de 'ofensiva de encanto'" por parte do Norte nos Jogos Olímpicos.

Mike Pence pronunciou essas declarações quando o líder norte-coreano e o presidente americano, Donald Trump, embarcaram em uma escalada de insultos pessoais e ameaças apocalípticas.

Kim Jong Un surpreendeu em 1 de janeiro ao mencionar uma participação norte-coreana depois de ter ignorado os convites para participar dos Jogos de Inverno por meses.

Este anúncio provocou um intenso processo diplomático até a chegada histórica desta delegação, que também inclui artistas e torcedoras.