Irmã de turista mineira achada morta em praia de Arraial do Cabo (RJ) critica investigação: 'Estamos sem saber nada'

Desde 19 de julho deste ano a família da turista mineira Thais Ribeiro, de 24 anos, tenta obter informações sobre a investigação aberta sobre a morte da jovem. O corpo dela foi encontrado no mar, na Praia dos Anjos, em Arraial do Cabo, na Região dos Lagos do Rio de Janeiro. Na época, começaram a circular informações em redes sociais de que Thais havia se afogado. Mas a Polícia Civil não confirmou isso e afirmou que o caso estava sendo investigado.

Após mortes: Flórida cria restrições para médicos realizarem cirurgias do 'bumbum brasileiro'

'Paguei. Virei a página': Alexandre Frota deposita R$ 30 mil para Chico Buarque por ofensas no Twitter

Irmã de Thais, a secretária Ingred Ribeiro, de 27 anos, se queixa que não tem informações sobre o andamento dessa investigação, feita pela 132ª DP (Arraial do Cabo).

— Não temos nada de concreto. Continua ainda "sob investigação". Estamos sem saber de nada, infelizmente, literalmente por fora da investigação — contou ela.

Um dos amigos que acompanhavam Thais na viagem — seriam cerca de cinco — mandou uma mensagem para a família em que contou que todos foram dormir por volta das 21h30 do dia 18 de julho, data em que chegaram a Arraial. No dia 19, às 10h aproximadamente, perceberam o sumiço da jovem.

Naquele horário, o corpo de Thais já havia sido visto no mar por funcionários de uma obra perto da Praia dos Anjos e resgatado por atletas que praticavam canoa havaiana.

— Quando ocorreu, praticamente afirmaram por meio de notícias (perfis em redes sociais) que foi um afogamento. Porém não faz sentido porque a minha irmã morria de medo de mar, de piscina...mal molhava os pés. Não tem sentido ela sair à noite e ter entrado na água e ter se afogado. Esperamos uma resposta — disse.

Ela mostrou uma postagem antiga da irmã em que fala sobre o medo do mar: "Não fiquei muito na água porque tenho medo de mar". As pessoas que estavam com Thais em Arraial não foram nem ao velório nem ao enterro nem ao velório da jovem, que deixou um filho de 3 anos.

O GLOBO pediu um posicionamento da Polícia Civil sobre como está o andamento das investigações sobre a morte de Thais, mas ainda não recebeu uma resposta. O espaço segue aberto para manifestação da corporação.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos