Irmã de vítima do 11/9 marca aniversário acompanhando julgamento em Guantánamo

·3 minuto de leitura
Elizabeth Berry e seu marido Paul Berry na base americana de Guantánamo (AFP/Paul HANDLEY)

Uma mulher, cujo irmão bombeiro morreu nos ataques de 11 de setembro de 2001, expressa frustração com a falta de resolução no julgamento dos autores dos ataques, que já dura 9 anos, embora ainda espere conseguir justiça.

Elizabeth Berry passa o 20º aniversário dos ataques na base naval dos Estados Unidos na Baía de Guantánamo, Cuba, onde o Exército americano ainda está na fase preliminar do julgamento contra Khalid Sheikh Mohamed, suposto autor intelectual do ataque, e cinco outros réus.

As audiências foram retomadas na terça-feira, após um atraso de 18 meses devido ao coronavírus.

A mulher disse a repórteres na sexta-feira que, para o aniversário deste sábado, não conseguiu pensar em um lugar melhor para homenagear seu irmão, o capitão Billy Burke, e é por isso que esteve presente nas audiências.

Em 11 de setembro de 2001, Burke foi chamado para servir no World Trade Center enquanto trabalhava em seu segundo emprego como salva-vidas.

Ele e sua companhia haviam subido ao 27º andar da torre norte quando ouviram o colapso da torre sul.

Burke ordenou que a empresa evacuasse, mas ficou para ajudar um homem paraplégico e seu amigo a sair. Todos os três morreram juntos.

Berry compareceu regularmente ao tribunal de Guantánamo.

"Quero ver uma resolução. Isso aconteceu há 20 anos e teve um efeito profundo em mim, na minha família e nas famílias de mais de 3.000 pessoas", declarou.

- Frustrante -

Como psicóloga clínica, ela gosta de ajudar outros familiares que comparecem ao tribunal para processar o julgamento e os atrasos intermináveis.

"No 20º aniversário, é aqui que eu queria estar, porque voltamos à fase preliminar do julgamento, porque sinto otimismo e espero que avance".

"Fico frustrada", reconheceu, entretanto, especialmente porque parentes das vítimas estão morrendo sem que o caso seja resolvido.

"Como vocês sabem, o mundo mudou. Hoje, muitas pessoas nos Estados Unidos, especialmente os jovens, nem tinham nascido quando aconteceu o 11 de setembro. Portanto, não é mais algo muito ouvido na mídia", comentou.

E disse estar confiante de que o caso avançará com a Promotoria e o novo juiz para um julgamento, que os advogados dizem que pode levar até mais um ano.

Os advogados de defesa atacam o caso da Promotoria argumentando que suas provas estão contaminadas pela tortura prolongada que os réus sofreram quando permaneceram sob custódia da CIA entre 2002 e 2006.

Quando questionada sobre o assunto da tortura, Berry dá a palavra ao marido, um advogado recém-aposentado.

A questão da tortura é apenas "uma pequena parte" do quadro, diz Paul Berry, acrescentando que o tribunal concedeu aos réus mais direitos e "devido processo" do que em qualquer outro caso criminal que já viu.

"As ações deste país para obter informações e impedir ações futuras são sempre algo que será debatido entre se é correto ou incorreto", assegurou o homem sobre a tortura.

"Mas estamos aqui para o julgamento dos terroristas e seus atos terroristas. O que eles fizeram para matar nossos parentes tem que vir à tona e o mundo tem que ver que o governo apresentou isso em detalhes".

pmh/ag/lda&gm/mr

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos