Irmão do deputado Luiz Lima morre por complicações da covid-19

·2 minuto de leitura

RIO - O deputado federal Luiz Lima (PSL-RJ) comunicou em uma rede social, na última quinta-feira, a morte de seu irmão Pedro Firmeza de Souza Lima, de 63 anos. Apesar de não mencionar a causa na publicação em homenagem ao irmão, o EXTRA confirmou que Pedro Lima morreu em decorrência de complicações da Covid-19, após três semanas de internação para tratar a doença. Luiz Lima é alinhado ao presidente Jair Bolsonaro e já se posicionou diversas vezes contra medidas de restrição para conter a disseminação do coronavírus.

“Hoje foi um dia muito triste, dia que o meu irmão por parte de pai se despediu de todos nós. Pedro lutou muito durante três semanas. Lutou durante toda a sua vida, lutou como pai de três queridos filhos, lutou como empresário e venceu como pessoa por ser tão querido”, declarou o deputado.

Nas redes sociais, o deputado criticou a decisão do ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), que negou a liminar pedida pelo presidente e manteve válidos os decretos dos governos do Distrito Federal, Bahia e Rio Grande do Sul com restrições de circulação de pessoas para conter a Covid-19.

“Sem julgamento do mérito, o ministro do STF Marco Aurélio Mello negou agora a ação impetrada pelo presidente Jair Bolsonaro contra as medidas de restrição à circulação de pessoas adotadas por governos estaduais do Rio Grande do Sul, Bahia e Distrito Federal. Do jeito que as coisas estão caminhando no Brasil, daqui a pouco a União vai ser condenada a devolver os bilhões de reais confiscados dos corruptos condenados pela Lava-Jato. É um escárnio que fazem com o sofrido povo brasileiro”, provocou.

Ainda em abril de 2020, quando a primeira onda da pandemia ganhava força no país, a mulher do deputado federal foi detida por agentes da Polícia Militar na Praia de Copacabana, acusada de descumprir o decreto do então governador Wilson Witzel que proibia a presença no local, para tentar conter a disseminação do vírus. Na época, Lima estava em Brasília e publicou um vídeo para criticar a ação dos policiais militares e de Witzel, em que chamou o governador afastado de "destemperado, desequilibrado e arbitrário" pelas ordens restritivas.

“Governador, os policiais estão seguindo uma ordem que não tem cabimento nenhum. Governador, o senhor é um escroto, irresponsável e incompetente. O que o senhor está fazendo com o recurso público, o que o senhor está fazendo é temeroso e irresponsável. O policial que prendeu, vai prender vagabundo, bandido, você não é um marisco na luta do rochedo contra o mar”, disse no vídeo.

O isolamento faz parte das medidas de enfrentamento ao novo coronavírus e é recomendado por especialistas e autoridades da saúde, entre elas a Organização Mundial da Saúde (OMS). Em várias partes do mundo a estratégia obteve sucesso na redução da disseminação do vírus.