Irmão de Witzel, sargento da PM é preso por posse ilegal de arma em Jundiaí

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
Douglas (à direita), ao lado do irmão Wilston Witzel - Foto: Reprodução/Facebook
Douglas (à direita), ao lado do irmão Wilston Witzel - Foto: Reprodução/Facebook
  • Irmão de Wilson Witzel, Douglas foi preso nesta quinta em Jundiaí

  • Ele recebeu flagrante por posse ilegal de arma de uso proibido

  • Seu irmão segue afastado do governo do Rio de Janeiro

Douglas Renê Witzel, sargento da Polícia Militar, foi preso nesta quinta-feira em Jundiaí, São Paulo, por posso ilegal de armas, durante operação de combate ao PCC. Ele é irmão do governador afastado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel.

De acordo com informações do G1, Douglas era um dos alvos da Operação Rebote, que cumpriu mandados de busca e apreensão contra o crime organizado e o tráfico de drogas em pelo menos oito cidades de São Paulo nesta quinta.

Leia também

O boletim de ocorrência mostra que havia um mandado contra Douglas por suposto envolvimento no comando de um esquema de furtos de caixas eletrônicos.

Douglas foi detido dentro de sua residência, onde os policiais encontraram um revólver calibre 38, com a numeração raspada e municiado com seis cartuchos. O sargento alegou não saber que a arma estava em sua casa e que ela pertencia a seu sogro, já falecido.

No local, também foram localizados um simulacro de pistola, uma munição íntegra calibre 32 e dezenas de cartuchos deflagrados, de calibres 380, 38 e 40.

Douglas foi preso em flagrante por posse ilegal de arma de fogo de uso proibido, por conta da numeração raspada. Ele foi levado à delegacia para prestar esclarecimentos.

Irmão afastado no Rio de Janeiro

Witzel foi afastado do Governo do Rio de Janeiro em setembro do ano passado, acusado pela Procuradoria-Geral da República de liderar uma organização criminosa com ramificações nos três Poderes estaduais e receber propina em troca de vantagens.

Julgamento do impeachment de Witzel acontecerá na semana que vem (AP Photo/Silvia Izquierdo)
Julgamento do impeachment de Witzel acontecerá na semana que vem (AP Photo/Silvia Izquierdo)

Ele teria realizado realizado fraudes em compras e contratos durante a pandemia da Covid-19, além de ignorado pareceres jurídicos que desqualificavam a Organização Social (OS) Unir Saúde como possível contratada do estado e assinado ofícios revogando o veto.

Na última quarta-feira, o Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ) marcou o julgamento do pedido de impeachment de Wilson Witzel, governador afastado do Rio, foi marcado para o dia 30 de abril, a partir das 9h