Isabel Teixeira fala de período distante do pai e diz que mantém boa relação com ex-maridos: 'Por que é tão difícil entender?'

Depois da arrebatadora Maria Bruaca de "Pantanal", Isabel Teixeira vem sendo disputada para novas produções na Globo. Aos 48 anos de idade e quase 40 de carreira, a atriz avalia a fama.

— Sucesso para mim é um dia belo e útil. É acordar e ir trabalhar apaixonada por aquilo que me propus a fazer. Sendo assim, sempre convivi com o sucesso — disse ela em entrevista à revista "JP", que chega às bancas nesta sexta (4).

Lista: veja os novos trabalhos do elenco de 'Pantanal'

'Musa Música': em nova série, João Guilherme, filho de Leonardo, também terá pai ausente

Além do trabalho como atriz, Isa?: bel tem uma editora artesanal no apartamento onde mora, em São Paulo. Recentemente, transformou em livro os textos deixados pela mãe, a também atriz Alexandra Corrêa, morta em 2006, aos 56 anos, vítima de câncer. Curiosamente, ela resistiu muito ao saber que a filha queria seguir sua profissão:

— Minha mãe lutou muito para me criar sozinha, sempre com dignidade. Mesmo com a dificuldade financeira, conseguiu me dar uma boa educação, com acesso a boas escolas. Ela tinha medo, pois conhecia bem as dificuldades. Ficamos sem nos falar por um bom tempo quando eu decidi largar a faculdade de Letras para fazer a EAD (Escola de Artes Dramáticas). Então saí de casa para morar com a minha avó e raspei a cabeça. Foi um gesto de autoafirmação.

O pai de Isabel, o cantor e compositor Renato Teixeira, acompanhou tudo à distância:

— Era outro tempo, não existia guarda compartilhada. Eu vivia com a minha mãe. Era raro ir à casa dele. Nossa relação era a da palavra, por telefone. Hoje, penso que meu pai poderia ter feito muita falta. Mas minha mãe fez tudo de um jeito tão... Para mim parecia que era tudo normal: tinha sempre muitos primos paternos e meus avós sempre por perto.

Mãe de Flora, de 11 anos, e de Diego, 18, Isabel foi casada durante 14 anos com o fotógrafo Roberto Setton e por nove com o artista visual Paulo Camacho. Ela diz que mantém boa relação com eles:

— Quando a gente pensa em separação, vem qual ideia? Briga. Mas precisa ser assim? A separação é de caminhos. Por que é tão difícil de entender essas pessoas por perto? Eles vão continuar presentes na criação dos meus filhos. Família a gente vai expandindo.