Israel abre investigação após tragédia no Monte Meron

·2 minuto de leitura
Israel teve um dia de luto nacional no domingo em memória das vítimas

A Controladoria do Estado de Israel anunciou nesta segunda-feira a abertura de uma investigação sobre o tumulto da madrugada de sexta-feira que matou 45 pessoas durante uma peregrinação de judeus ortodoxos, enquanto o último funeral, de um jovem argentino, aconteceu durante a manhã.

A tragédia de 30 de abril "poderia ter sido evitada e agora temos o dever de determinar o que aconteceu", afirmou Matanyahu Englman, titular da Controladoria, durante uma entrevista coletiva em que anunciou a abertura de uma "investigação especial".

Responsável por supervisionar o funcionamento das instituições públicas, a Controladoria do Estado já havia alertado duas vezes, em 2008 e 2011, sobre as falhas nos equipamentos da área do Monte Meron (norte).

"Se isto tivesse sido solucionado, talvez a catástrofe poderia ter sido evitada", destacou Englman.

O ministro da Defesa, Benny Gantz, que também é o ministro da Justiça interino, pediu no domingo à Procuradoria Geral que examine a possibilidade de que o governo de transição estabeleça uma comissão estatal de investigação mais aprofundada que a da Controladoria do Estado.

Apenas uma comissão como esta "poderia levar em consideração todos os elementos da tragédia", afirmou.

O chefe de polícia para o norte de Israel, Shimon Lavi, afirmou que assume a "responsabilidade" pela tragédia, assim como o ministro da Segurança Pública, Amir Ohana, que, no entanto, afirmou que não aceita a "culpa".

A ministra dos Transportes, Miri Regev, próxima a Netanyahu, que está no alvo, segundo a imprensa, por ter fretado ônibus para permitir que muitos ortodoxos participassem na peregrinação.

Nesta segunda-feira um argentino que tinha 21 anos e estudava em um Yeshivá (escola talmúdica), foi enterrado em Jerusalém na presença de centenas de pessoas e do ministro do Interior, Arieh Deri.

Os funerais das vítimas começaram na sexta-feira, poucas horas depois da tragédia.

Entre os mortos estão 15 crianças e adolescentes.

dms/cgo/vg/age/mb/fp