Israel acusa Irã de ataque a navio petroleiro na costa de Omã

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O governo de Israel acusou o Irã, país com o qual vem travando disputas marítimas, de ter atacado uma embarcação petroleira na costa de Omã nesta quinta-feira (29). Dois membros da tripulação, um cidadão britânico e outro romeno, morreram durante o ataque.

"O Irã não é apenas um problema de Israel, mas é um exportador de terrorismo, destruição e instabilidade que nos prejudica como um todo", disse o ministro das Relações Exteriores israelense, Yair Lapid, em comunicado. "O mundo não pode ficar em silêncio diante do terrorismo iraniano, que também prejudica a liberdade nos transportes marítimos", completou.

O navio, nomeado Mercer Street, é de propriedade japonesa, mas administrado pela empresa israelense Zodiac Maritime, que descreveu o incidente como "suspeita de pirataria". Fontes dos EUA e da Europa familiarizadas com o tema corroboram com a versão do governo de Israel e dizem que Teerã é o principal suspeito. O ataque, sugerem, teria sido conduzido por um drone.

O episódio teria ocorrido às 15h (horário de Brasília), a cerca de 152 milhas náuticas (280 quilômetros) das costas de Omã, segundo informou um portal de operações marítimas que atua no combate à pirataria e está ligado à Marinha britânica.

No momento do ataque, a embarcação estava no norte do oceano Índico e navegava sem carga a partir da Tanzânia, na costa africana, em direção a Fujaira, nos Emirados Árabes Unidos, informou o operador que administrava a embarcação.

O mar de Omã está localizado entre o Irã e Omã, região de alta importância geopolítica e onde se encontra o Estreito de Ormuz, por onde é transportado cerca de um quinto da produção mundial de petróleo.

Há pelo menos uma década é comum que as embarcações que passam pela região sofram ataques de pirataria, mas incidentes do tipo têm diminuido nos últimos anos após o reforço de patrulhas navais de diversos países interessados na região.

O incidente desta quinta é mais um em meio à escalada dos conflitos entre Irã e Israel, que, desde 2019, têm atacado mutuamente cargueiros nos mares Mediterrâneo e Vermelho. Em março deste ano, um navio porta-contêineres iraniano foi atacado e pegou fogo. O país atribuiu o ataque a Israel.

Analistas da Dryad Global, empresa britânica especializada em segurança marítima, disseram que o recente episódio é considerado o quinto ataque a uma embarcação vinculada a Israel e o descreveram como uma "retaliação na guerra entre as duas potências".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos