Israel não adotou 'qualquer medida' para limitar colonização

Israel se encontrava abalado nesta sexta-feira pela história de um menino de 14 anos libertado pela polícia depois de ter permanecido trancafiado por seus pais durante praticamente toda sua vida ainda por razões desconhecidas

Israel não adotou "qualquer medida" para cumprir com a resolução da ONU, do final de dezembro, que condena a colonização nos territórios palestinos, declarou nesta sexta-feira o emissário da ONU para o Oriente Médio, Nickolay Mladenov.

A resolução exorta Israel a evitar qualquer atividade vinculada à colonização, mas "não se adotou qualquer medida neste sentido" nos últimos três meses, disse Mladenov em seu primeiro relatório ao Conselho de Segurança desde a aprovação desta resolução.

O emissário advertiu que no início do ano ocorreu uma alta nos anúncios de colônias ilegais, algo "profundamente preocupante".

Israel fez cinco anúncios em janeiro sobre a ampliação das colônias, envolvendo mais de 6 mil residências na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental.

Mladenov também considerou "preocupante" a adoção no Parlamento de Israel, em fevereiro, de uma lei que "regulariza" as residências existentes e que, se aplicada, poderá permitir uma "regularização retroativa" de milhares de residências nos territórios palestinos.

Isto seria uma "grande mudança na posição israelense" em relação à legalidade dos territórios ocupados, destacou Mladenov.

O relatório servirá de base da discussão no Conselho de Segurança sobre o conflito israelense-palestino.