Israel ataca Faixa de Gaza pelo 2º dia, e número de mortos chega a 24

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Os ataques aéreos disparados por Israel em direção à Faixa de Gaza contra alvos do grupo radical Jihad Islâmica entraram no segundo dia neste sábado (6) e devem durar ao menos uma semana, disseram as forças de defesa do país.

Apelidada de "Amanhecer", a operação teve início na sexta-feira (5) e, segundo balanço do Ministério da Saúde palestino, deixou em dois dias ao menos 24 mortos, incluindo 6 crianças, e 203 feridos. Israel diz que atingiu 40 alvos do grupo, incluindo locais de fabricação e armazenamento de armas ocultos em áreas residenciais.

O grupo radical, como havia prometido, revidou os ataques com o lançamento de mais de 400 foguetes em direção a diferentes cidades do país. Sistemas de mísseis como o Iron Dome (domo de ferro), porém, interceptaram a maior parte dos projéteis.

Na cidade de Tel Aviv, alarmes soaram devido aos disparos vindos da Faixa de Gaza. Dois foguetes teriam sido interceptados e outros dois caíram no mar, segundo militares. Já em Ashkelon, carros foram atingidos por um foguete.

Serviços de emergência do país disseram que ao menos 21 pessoas foram hospitalizadas desde o início dos ataques. A maioria teria se ferido ao cair enquanto corria para abrigos; outras ficaram feridas por estilhaços de foguetes, e seis foram internadas após crises de ansiedade.

Militares de Israel afirmam que, durante a madrugada, ao menos 19 militantes da Jihad foram presos na Cisjordânia. Tayseer Jabari, líder do grupo desde 2019, foi morto na operação na Faixa de Gaza na sexta —ele assumiu o comando depois da morte de Baha Abu Al Ata. Neste sábado, as forças de Israel disseram à agência AFP ter "neutralizado a cúpula da ala militar" da organização.

O dia teve ainda uma troca de acusações envolvendo a morte de crianças. Segundo o Hamas, algumas delas foram atingidas em um ataque próximo a um campo de refugiados em Jabalia. Israel negou ter feito ações que mirassem a região e atribuiu os óbitos a uma explosão causada por um foguete da Jihad Islâmica cujo lançamento falhou.

Um vídeo, cuja autenticidade não pôde ser verificada de forma independente, mostra o que seria um foguete partindo de Gaza à noite e então tendo o curso desviado, caindo nas cercanias de uma área urbanizada.

Israel interrompeu o transporte de combustível para a região pouco antes de iniciar os bombardeios, com consequências sentidas pelos cerca de 2,3 milhões de palestinos que vivem no local. A central elétrica de Gaza anunciou neste sábado que teve de fechar. Em comunicado, a empresa informou que o corte afetará serviços públicos e instalações cruciais, além de agravar a situação humanitária.

O Departamento de Estado dos EUA declarou neste sábado apoio ao "direito de Israel de se defender", instando todos os lados a evitar o acirramento do conflito —há um temor de que o Hamas se engaje nas batalhas ao lado da Jihad Islâmica.

O Egito, que buscava mediar negociações antes de os ataques terem início, propôs um cessar-fogo temporário para a negociação de uma trégua duradoura. Os radicais, porém, negaram a proposta, segundo uma autoridade do grupo.

A tensão na fronteira havia amortecido desde maio de 2021, quando 11 dias de ataques entre Israel e o Hamas deixaram ao menos 250 pessoas mortas em Gaza e 13 em Israel. O conflito escalou, porém, nas últimas semanas, quando um líder da Jihad Islâmica foi preso e Tel Aviv acusou o grupo de planejar ataques contra militares do país.

O enviado especial das Nações Unidas para o Oriente Médio, Tor Wennesland, disse estar profundamente preocupado com a situação. Em comunicado, frisou o repúdio a relatos de que entre os mortos palestinos está uma menina de 5 anos. "Não pode haver justificativa para quaisquer ataques contra civis."

O premiê israelense, Yair Lapid, afirmou na sexta que os ataques, que chama de uma operação antiterrorista, visam conter uma ameaça imediata. Ele acusou a Jihad de ser um representante do Irã que busca "destruir o Estado de Israel e matar cidadãos inocentes".

A Guarda Revolucionária, força de segurança de elite iraniana, reafirmou apoio aos palestinos e disse que Israel "pagará um preço alto" pelos ataques. A Liga Árabe, por sua vez, disse condenar o que chamou de feroz ataque israelense e responsabilizar o país por "crimes hediondos e sangrentos". União Europeia (UE) e Rússia pediram moderação.

Os ataques mútuos levaram ao cancelamento de uma partida amistosa entre Atlético de Madri e Juventus, marcada para este domingo (7) no estádio Bloomfield, em Tel Aviv. O jogo foi remarcado para ocorrer na Itália.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos