Israel diz que vacinas contra Covid-19 rejeitadas por palestinos eram seguras

·1 minuto de leitura

Por Maayan Lubell

JERUSALÉM (Reuters) - As vacinas contra Covid-19 entregues por Israel e rejeitadas pela Autoridade Palestina devido ao prazo de validade eram seguras, afirmou o Ministério da Saúde israelense neste sábado.

Israel e a Autoridade anunciaram na sexta-feira um acordo de troca de vacinas pelo qual Israel enviaria até 1,4 milhão de doses da vacina produzida pela Pfizer em conjunto com a BioNTech para a Autoridade em troca de receber o mesmo número de doses mais para o fim do ano.

Pouco depois do anúncio, no entanto, a Autoridade cancelou o acordo e disse que havia enviado o carregamento inicial de cerca de 90.000 doses de volta a Israel. O ministro da Saúde da Autoridade Palestina, Mai Alkaila, disse que a entrega veio com um prazo de vencimento em junho, antes da data de julho-agosto que havia sido acordada.

A "transferência de vacina à Autoridade Palestina estava perfeitamente em ordem", disse o Ministério da Saúde israelense em um comunicado. As datas erma de conhecimento dos dois lados e foram acordadas, afirmou.

"As vacinas entregues aos palestinos são idênticas em todas as maneiras às vacinas atualmente sendo aplicadas em cidadãos israelenses."

Cerca de 30% dos palestinos aptos a serem vacinados na Cisjordânia e na Faixa de Gaza, casa de cerca de 5,2 milhões de pessoas, receberam pelo menos uma dose, segundo autoridades palestinas, de vacinas entregues por Israel, Rússia, China, Emirados Árabes e a iniciativa global Covax Facility.

Muitos palestinos se revoltaram nas redes sociais pelo acordo de sexta-feira, criticando seus líderes por terem aceito doses próximas ao prazo de validade.

(Reportagem de Maayan Lubell)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos