Israel levará à ONU caso de petroleiro atacado

·2 minuto de leitura
O mar de Omã está localizado entre Irã e Omã, onde se encontra o estratégico Estreito de Ormuz, pelo qual transita boa parte do petróleo mundial e onde está presente uma coalizão liderada pelos Estados Unidos

O governo israelense anunciou que pretende levar à ONU o caso do ataque a um petroleiro administrado pelo estaleiro de propriedade de um bilionário israelense, que deixou dois mortos na costa de Omã e pelo qual o Estado hebreu acusa o Irã.

O construtor Zodiac Maritime, empresa internacional de propriedade do israelense Eyal Ofer com sede em Londres, informou na sexta-feira (30) "a morte de dois membros de sua tripulação: um cidadão romeno e um cidadão britânico", durante um incidente a bordo do "M/T Mercer Street".

O Exército dos Estados Unidos declarou em um comunicado que as forças da Marinha americana, em resposta a um pedido de socorro, chegaram para ajudar a tripulação e constataram as provas de um ataque. As primeiras observações "indicam claramente" um ataque com drone, segundo o Exército.

Nenhum grupo assumiu a autoria do ataque, mas a Dryad Global, um empresa especializada com sede em Londres, referiu-se às novas "represálias na guerra nas sombras travada pelas duas potências inimigas" - uma referência a Irã e Israel.

"Dei instruções às embaixadas em Washington, Londres e a ONU para que ajam com seus interlocutores governamentais e as delegações competentes na sede da ONU em Nova York", tuitou ontem o ministro israelense das Relações Exteriores, Yair Lapid.

O chanceler israelense disse ter conversado com seu homólogo britânico, Dominic Raab, ressaltando a "necessidade de responder de maneira severa ao ataque ao navio, em que morreu um cidadão britânico".

"O Irã semeia violência e destruição em todos os rincões da região", denunciou uma autoridade do governo israelense, em um comunicado divulgado mais cedo.

Teerã "não é apenas um problema de Israel, mas de todo mundo. Seu comportamento ameaça a navegação e o comércio mundial", acrescentou.

No Irã, o canal em árabe de uma das televisões públicas citou "fontes informadas na região", segundo as quais o ataque foi uma resposta "a um recente ataque israelense na Síria".

O Mar de Omã está localizado entre Irã e Omã, onde fica o estratégico Estreito de Ormuz. Por ele, transita boa parte do petróleo mundial. Uma coalizão liderada pelos Estados Unidos está presente na região.

Os navios que navegam pela área costumam sofrer ataques há uma década, mas esses incidentes diminuíram consideravelmente nos últimos anos, após as patrulhas das forças navais de vários países se intensificarem.

O especialista em segurança Meir Javedanfar, da universidade israelense IDC, disse à AFP que "muito provavelmente" o Irã está por trás deste ataque.

Eyal Offer é considerado a 197ª pessoa mais rica do mundo, segundo o ranking da Forbes, com uma fortuna de 11,3 bilhões de dólares.

dac/feb/bfi/mar/zm/tt/aa

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos