Israel planeja construir mais de 3.700 casas para colonos na Cisjordânia ocupada

Colono israelense segura bandeira de Israel com slogans na colônia de Amona, no dia 1º fevereiro de 2017

Israel planeja construir mais de 3.700 residências na Cisjordânia ocupada, incluindo, pela primeira vez em anos, a cidade de Hebron, informou uma autoridade israelense, que pediu para manter sua identidade em sigilo.

A fonte não especificou quando as autoridades israelenses se pronunciarão a respeito, porém a comissão que decide sobre os projetos de construção nas colônias se reunirá nos dias 17 e 18 de outubro, disse Hagit Ofran, membro da organização anticolonização israelense Paz Agora.

Um total de 3.736 casas destinadas aos colonos estão à espera de aprovação, disse a autoridade.

Os projetos de construção de colônias passam por várias etapas de aprovação antes de um parecer final.

"Cerca de 12.000 residências serão aprovadas em 2017", ressaltou a autoridade israelense, "quatro vezes mais que em 2016".

A colonização, que mais especificamente se trata da construção de assentamentos civis em território ocupado, é considerada ilegal pelas diretrizes do Direito Internacional. Grande parte da comunidade internacional a considera como um dos principais obstáculos na busca pela paz entre israelenses e palestinos.

A construção de casas de colonização é uma questão sensível em Hebron, cidade localizada ao sul da Cisjordânia, na qual vivem aproximadamente 800 judeus, que contam com forte proteção policial em meio a 200.000 palestinos.