Israel repudia deputado que rasgou Novo Testamento

AFP19 de julho de 2012
Michael Ben Ari, deputado israelense do partido de extrema direita União Nacional, em dezembro de 2010

As autoridades israelenses repudiaram nesta quarta-feira o gesto do deputado de extrema direita que rasgou um exemplar do Novo Testamento, mas não anunciaram eventuais sanções.

"Lamentamos profundamente este comportamento e o condenamos do modo mais intenso. É um gesto que vai completamente contra nossos valores e tradições", declarou à AFP Mark Regev, porta-voz do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu.

"Israel é uma sociedade tolerante, mas temos tolerância zero diante deste ato vergonhoso e odioso", destacou Regev.

O deputado de extrema direita Michael Ben Ari rasgou um exemplar do Novo Testamento para denunciar o envio a membros do Parlamento deste livro "depreciativo", segundo a imprensa israelense.

Ben Ari, do partido de oposição União Nacional, é um dos parlamentares que recebeu pelo correio um exemplar do "Livro dos Testamentos", que inclui a Bíblia e o Novo Testamento, enviado pela Sociedade Bíblica Israelense.

"Este livro depreciativo provocou o assassinato de milhões de judeus durante a Inquisição", afirmou Michael Ben Ari em seu site NRG-Maariv. "É uma horrível provocação de parte da Igreja. Este livro e os que o enviaram deveriam ser lançados ao lixo da história".

Na carta que acompanha os livros, o diretor da Sociedade Bíblica Israelense, Victor Kalisher, informa aos parlamentares que esta nova edição do Livro dos Testamentos "esclarece as santas escrituras e ajuda a compreendê-las (...) ilustrando a relação estreita entre a Bíblia e o Novo Testamento".