Itália amplia exigência de passaporte sanitário por variante ômicron

·1 min de leitura
Pessoas esperam em fila diante de farmácia para realizar teste de covid em Roma, na Itália, em 23 dezembro 2021 (AFP/Filippo MONTEFORTE) (Filippo MONTEFORTE)

O governo italiano informou nesta quarta-feira (29) que ampliará a vigência do passaporte de vacinação para transportes, hotéis, áreas externas, congressos, piscinas e academias, a fim de tentar conter o aumento dos casos de covid-19 por causa da variante ômicron.

A medida entrará em vigor no dia 10 de janeiro, segundo o decreto-lei que "introduz medidas urgentes para conter a propagação da epidemia de covid-19", aprovado em um conselho de ministros presidido por Mario Draghi.

Até agora, para viajar de trem e avião bastava a apresentação de um passaporte sanitário "básico", que poderia ser obtido com um teste negativo.

Já o passaporte vacinal, chamado na Itália de "passaporte sanitário reforçado", só pode ser obtido com o esquema de vacinação completo, ou se a pessoa tiver se curado da covid-19.

O governo também decidiu suprimir a quarentena de 10 dias para vacinados ou curados de covid que tiveram contato com algum caso positivo. Já os não vacinados terão que seguir cumprindo os 10 dias.

A flexibilização das regras de quarentena tem como objetivo evitar a paralisação de certos setores, como o de transportes, no qual o grande número de funcionários em quarentena levou ao cancelamento de muitas viagens de trem.

Nesta quarta-feira, a Itália registrou 98.020 novos contágios de covid e contabilizava mais de 600.000 casos ativos da doença.

glr/sag/ag/rpr/lb

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos