Itália: Draghi apresenta sua demissão; imprensa garante que serão convocadas eleições antecipadas

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
REUTERS - GUGLIELMO MANGIAPANE
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O primeiro-ministro italiano, Mario Draghi, apresentou sua demissão ao presidente italiano, Sergio Mattarella nesta quinta-feira (21). A decisão foi tomada depois que o líder perdeu o apoio de três grandes partidos em sua coalizão, o que deve resultar na antecipação de eleições na Itália.

Com informações das correspondentes da RFI em Roma, Anne Le Nir, Gina Marques, e da AFP

Os partidos de direita Forza Italia, liderados pelo ex-primeiro-ministro Silvio Berlusconi, e Liga, de Matteo Salvini; bem como o Movimento 5 Estrelas (M5E, antissistema) decidiram na quarta-feira (20) não participar da votação de uma moção de confiança no Senado. Apenas 133 dos 320 parlamentares marcaram presença; 95 votaram sim e 38 não. Segundo as regras do sistema parlamentar, isso resulta no fim do Executivo.

Assim, o prestigioso economista, que respondeu ao chamado para salvar a Itália em fevereiro de 2021 em um momento de crise social, econômica e sanitária, apresentou novamente sua demissão a Mattarella, que desta vez terá que aceitá-la, após a anunciada em 14 de julho. Segundo a assessoria de imprensa da presidência, Draghi continuará administrando o governo até a definição de seu sucessor.

Draghi discursou nesta quinta-feira diante da câmara baixa do Parlamento, onde estava previsto um voto de confiança. O premiê comunicou aos deputados que se demitiria, portanto não houve votação. Visivelmente comovido, Draghi declarou: “os banqueiros também têm coração”.

Depois de sua reunião com o presidente Mattarella, o país saberá que rumo o governo irá tomar. Segundo os jornais italianos La Repubblica e La Stampa, os italianos não vão escapar de novas eleições antecipadas que poderão ser realizadas no início de outubro.

A crise do governo foi aberta na semana passada pelos parlamentares do M5E, que consideraram vários pontos de um importante decreto-lei proposto pelo premiê como contrários aos seus princípios. "Em 18 meses de governo liderado por Draghi, desmantelaram todas as medidas adotadas por seu antecessor Giuseppe Conte [líder do M5E]", lamentou Maria Domenica Castellone, porta-voz do movimento no Senado.

Proposta de "novo pacto" não foi aceita

Draghi, que não esperou o resultado da votação no Senado, havia exposto algumas horas antes no parlamento as condições para continuar governando e sair da atual crise que a Itália atravessa ao propor um "novo pacto" político entre as partes. Em seu discurso, o ex-presidente do Banco Central Europeu pediu diretamente aos partidos de sua coalizão ampla, que inclui partidos de direita e esquerda, que decidam seu futuro no cargo e deixou a porta aberta para continuar no poder.

Para Lynda Dematteo, pesquisadora da Escola dos Altos Estudos em Ciências Sociais de Paris, especialista em política italiana, o partido Forza Italia "ficou decepcionado com o discurso de Draghi". Segundo ela, a direita tradicional "não queria mais governar com o Movimento 5 Estrelas", mas o premiê ofereceu garantias ao M5E.

"A queda deste governo resulta em fraturas mesmo no interior dos partidos italianos", reitera Dematteo. Além disso, essa nova reviravolta política "é desaprovada pela maior parte dos italianos, pelas centrais sindicais e prefeitos", cuja uma larga maioria apoiava a permanência do premiê no cargo.

O comissário europeu da Economia, o italiano Paolo Gentiloni, classificou de "irresponsável" a atitude dos partidos da coalizão, que resolveram deixar o governo correndo o risco de "provocar uma tempestade no país". "Esperamos meses difíceis, mas somos um grande país", completou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos