Itália determina que bares fechem cedo contra nova onda de covid-19

James Mackenzie - Repórter da Reuters
·1 minuto de leitura

A Itália ordenou neste domingo que bares e restaurantes encerrem atividades às 18h e que academias públicas, cinemas e piscinas devem fechar as portas de forma a tentar conter o rápido ressurgimento do coronavírus no país, que elevou as taxas diárias de infecção a novos recordes.

O primeiro-ministro Giuseppe Conte disse que as medidas visam a proteger a saúde pública e a economia e devem ser eficazes para que a curva ascendente da epidemia seja controlada nas próximas semanas.

“Achamos que sofreremos um pouco este mês, mas ao cerrar os dentes com essas restrições, poderemos respirar novamente em dezembro”, disse ele em entrevista coletiva.

A Itália, que já foi o país mais atingido pela pandemia na Europa, foi ultrapassada por outros no continente, incluindo Espanha, França e Grã-Bretanha, mas as taxas de infecção estão se recuperando rapidamente e os serviços de saúde estão sob pressão crescente.

Ressaltando a propagação da doença, os principais porta-vozes de Conte e do presidente Sergio Mattarella informaram que os dois líderes testaram positivo para o vírus. O porta-voz de Conte, Rocco Casalino, disse em comunicado que viu Conte pela última vez na terça-feira, ocasião em que eles usaram máscaras e mantiveram o distanciamento social.

As novas medidas, que entram em vigor na segunda-feira, foram acordadas com as autoridades regionais do país.