Itália proíbe eventos de Ano Novo diante de alta nos casos de Covid-19

·1 min de leitura

Por Crispian Balmer

ROMA (Reuters) - A Itália endureceu restrições para conter a alta no número de infecções pela Covid-19, proibindo inclusive todas as celebrações públicas de Ano Novo, anunciou o governo nesta quinta-feira, enquanto o número diário de novos casos chegou a um patamar recorde.

O ministro da Saúde italiano, Roberto Speranza, afirmou que o uso de máscaras voltará a ser obrigatório ao ar livre e ordenou que pessoas usem as máscaras com maior proteção, como as do tipo PFF2, no transporte e em lugares públicos como teatros, cinemas e eventos esportivos.

Além disso, shows e eventos ao ar livre serão proibidos até o dia 31 de janeiro, e boates e danceterias terão de ser fechadas até essa data, em uma iniciativa de evitar as socializações em massa durante o período das festas.

O anúncio ocorre no dia em que a Itália registrou 44.595 novos casos de coronavírus, alta de mais de 70% em apenas uma semana, com a nova e mais infecciosa variante Ômicron começando a se alastrar pelo país.

As mortes também começam a crescer, subindo para 168 na quinta-feira, maior número desde maio, mas continuam bem abaixo das taxas vistas durante picos anteriores, graças principalmente ao alto número de vacinados na Itália.

Speranza disse que quase 89% dos italianos haviam sido vacinados, mas o governo quer acelerar a entrega de doses de reforço, vistas como o escudo mais eficiente contra a variante Ômicron, que varre a Europa e os Estados Unidos.

(Reportagem adicional de Giuseppe Fonte)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos