Itália quer multar profissionais da saúde que rejeitarem vacina contra covid-19

·1 minuto de leitura
Vagão de um novo trem médico com equipamentos de tratamento intensivo para acomodar até 21 pacientes na estação ferroviária Termini, em Roma, em 8 de março de 2021 em Roma, em meio à pandemia de covid-19

O chefe do governo italiano, Mario Draghi, anunciou nesta sexta-feira (26) que o governo está analisando sanções aos trabalhadores da saúde que se recusam a se vacinar contra a covid-19.

"O governo deseja intervir. É inaceitável que os trabalhadores da saúde que não se vacinaram entrem em contato com pessoas doentes", disse Draghi em coletiva de imprensa.

O chefe de governo respondeu à pergunta sobre o caso de vários pacientes infectados com covid-19 em Liguria, noroeste da Itália, pelos profissionais da saúde que não se vacinaram.

A ministra da Justiça, Marta Cartabia, "está preparando uma medida sobre esse assunto", explicou Draghi, que não descarta aprovar um decreto específico.

Por sua vez, o ministro da Saúde, Roberto Speranza, afirmou na coletiva de imprensa que os profissionais da saúde não vacinados contra a covid-19 representam uma quantidade "muito pequena".

O presidente da região de Liguria, Giovanni Toti, pediu na quinta-feira uma lei contra os trabalhadores sanitários que rejeitam a vacina, depois que dois deles infectaram ao menos 12 pacientes, em dois hospitais de sua região.

A Itália registrou mais de 105.000 mortes por coronavírus em 13 meses de pandemia.

"Diante da necessidade de proteger a cidadania em momentos delicados, como a hospitalização, é possível recorrermos às condições legais e políticas para tomar medidas", afirmou Toti.

Na Itália, o movimento contrário às vacinas é limitado, mas muito ativo. Alguns temem que aumente o número de seguidores devido às preocupações levantadas pela vacina da AstraZeneca, cujo uso foi suspenso por alguns dias até a autoridade europeia EMA confirmar que é totalmente segura.

Durante a coletiva de imprensa, Mario Draghi, de 73 anos, anunciou que receberá a vacina AstraZeneca. "Espero que me vacinem na próxima semana, já reservei o dia", disse.

ljm-kv/jz/aa