Itália ultrapassa os 4.000 mortos por coronavírus após registrar 627 mortes em somente um dia

Covid-19 na Itália

A Itália registrou 627 mortes por coronavírus nas últimas 24 horas, informado nesta sexta-feira (20), um número recorde em um país que já tem um balanço de 4.000 mortos.

O número total de mortes é de 4.032, em 47.021 infectados. A Itália representa agora 36,6% de todas as mortes pelo vírus no planeta.

A região da Lombardia, onde os hospitais estão lotados, continua pagando o preço mais alto, com mais 381 mortes (2.549 no total).

Foram detectados no país cerca de 6.000 novos casos, um número inédito.

A Itália tem mais de 66 mortos por um milhão de habitantes, uma proporção que chega a mais de 250 por milhão na Lombardia, principal zona econômica do país.

O governo italiano ordenou novas medidas restritivas de contenção para conter a disseminação do novo coronavírus.

O ministro da Saúde, Roberto Speranza, assinou um decreto para fechar parques, espaços verdes e jardins públicos de 21 a 24 de março em toda a Itália, uma medida já adotada por vários municípios antes.

Também proibiu esportes ao ar livre e atividades recreativas, permitindo que as pessoas se exercitem "individualmente, perto de sua própria casa e respeitando uma distância mínima de um metro de outras pessoas".

Governadores das regiões do norte da Itália, as mais ricas do país e as mais afetadas pela epidemia, pedem ainda mais encerramentos de atividades econômicas e o destacamento do exército para fazer cumprir as medidas.

"Infelizmente, ainda hoje os números não estão indo na direção certa, seja em termos de novas infecções ou mortes", que estão aumentando "significativamente", disse Attilio Fontana, governador da Lombardia, foco da epidemia na Itália.

Stefano Bonaccini, governador de Emília-Romanha, a segunda região mais afetada da Itália após a Lombardia, proibiu a maioria das atividades ao ar livre na quinta-feira.