Itaú e Bradesco pedem que Americanas só possa sacar recursos com autorização da Justiça

Itaú Unibanco e Bradesco, dois dos maiores bancos do país, também entraram na batalha judicial contra a Americanas para reaver recursos.

Itaú e Bradesco têm contratos de câmbio e empréstimos feitos no Brasil que permitem o vencimento antecipado após a divulgação de "inconsistências contábeis" de R$ 20 bilhões. Somadas, as operações financeiras das duas instituições com a varejista são de ao menos R$ 2,3 bilhões.

Crise da Americanas: Entenda o que é uma recuperação judicial

A novela da Americanas: Veja tudo que você precisa saber sobre a crise na empresa

O Bradesco pediu que a empresa atue com "transparência" e detalhe a finalidade e o destino de valores que pretende resgatar e que já foram sacados. Na quarta-feira, o banco reteve mais de R$ 450 milhões do caixa da varejista.

Por isso, na petição, o Bradesco pediu que qualquer liberação seja feito com autorização judicial.

O Itaú também entrou com mandado no Tribunal de Justiça do Rio. Segundo fontes, a empresa pede que a Americanas também não faça nenhum uso de seus recursos financeiros depositados sem autorização.

Ontem, o BTG obteve vitória na Justiça ao conseguir que R$ 1,2 bilhão deixam de voltar ao caixa da Americanas. O Goldman Sachs (GS) também pediu o vencimento antecipado de seus “contratos de derivativos” (contratos baseados em outros ativos), cujo valor pode chegar a R$ 408 milhões em 30 dias.

Nesta quinta-feira, a Americanas disse que, embora ainda não tenha sido decidido, a administração está trabalhando com a possibilidade de, nos próximos dias ou potencialmente nas próximas horas, aprovar o ajuizamento, em caráter de urgência, de pedido de recuperação judicial.