Itamaraty confirma importação de doses da vacina de Oxford produzidas na Índia

Victor Farias e Paula Ferreira
·2 minuto de leitura
Foto: DADO RUVIC / DADO RUVIC

O Ministério das Relações Exteriores afirmou nesta terça-feira que está "confirmada" a importação de 2 milhões de doses da vacina produzida pela farmacêutica britânica AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford, na Índia. Segundo a pasta, a entrega do imunizante deve ocorrer em meados de janeiro.

"Está confirmada a importação de 2 milhões de doses da vacina da AstraZeneca/Oxford produzidas na Índia, com data provável de entrega a partir de meados do corrente mês de janeiro", disse, em nota.

Em outra nota, feita em conjunto com o Ministério da Saúde, o Itamaraty afirma que não há "qualquer tipo de proibição oficial" do governo indiano, em relação à exportação de doses de vacina contra a Covid-19.

"As negociações entre a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e o Instituto Serum da Índia para a importação pelo Brasil de quantitativo inicial de doses de imunizantes contra a Covid-19 encontram-se em estágio avançado", explica o governo brasileiro.

No domingo, horas após o Brasil anunciar um acordo com a instituição para a compra de 2 milhões de doses prontas do imunizante, o CEO do Instituto Serum da Índia, Adar Poonawalla disse à Associated Press que a exportação seria vetada até que toda a população indiana vulnerável ao coronavírus fosse vacinada. Nesta terça, no entanto, ele negou que haja restrições à exportação do imunizante.

Na ocasião, o Itamaraty afirmou, em nota, que as autoridades sanitárias do Brasil e da Índia estão em contato para viabilizar a importação da vacina: “Como ocorreu em outras ocasiões, a Embaixada do Brasil em Nova Déli está facilitando o diálogo entre as partes para a pronta conclusão das negociações”.

De acordo com a nota divulgada hoje, o secretário-executivo do Ministério da Saúde, Élcio Franco, reuniu-se ontem com o embaixador da Índia no Brasil para tratar do assunto.

As doses não fazem parte do contrato assinado no ano passado entre a AstraZeneca e o governo federal, que permanece sem alterações. O documento prevê a compra de 100,4 milhões de doses de insumo farmacêutico ativo da vacina, além de uma licença à Fiocruz para a produção, distribuição e comercialização do imunizante. A expectativa é que sejam entregues 15 milhões de doses em janeiro, 15 milhões em fevereiro e o restante até julho de 2021.