‘Já gastei duas vezes o que me foi pedido’, revela John Textor

Em entrevista ao jornal L’Équipe, da França, em que abordou majoritariamente a compra de 66% das ações do Lyon, tradicional clube francês, John Textor fez também revelações sobre seu trabalho no Botafogo. Dono de 90% das ações da SAF alvinegra, pela qual se comprometeu a pagar R$ 400 milhões em três anos, o americano disse que já investiu mais do que esperava nestes primeiros meses.

— Já gastei duas vezes o que me foi pedido. Quando você começa a tomar decisões para um time, se você vê que (com) 10 ou 20 milhões você pode ir mais alto, você se apaixona pelo processo e gasta mais do que o planejado. Isso viralizou no Brasil e estou gastando muito mais. E levei jogadores que eu não precisava (risos) — afirmou o americano.

— Olha o que fiz no Crystal Palace. Você não costuma ver muito disso. Fui para as partidas, as pessoas me agradeciam. Ajudei na base, com transferências, trouxe energia nova. Estou mais atrás do que na frente dos palcos. Exceto no Botafogo, em que sou o único responsável. Lá, mudei tudo porque era uma associação que conduzia o clube. Não havia nada. Cargos interinos, a grama não estava cortada, o técnico brigava com os árbitros — lembrou o empresário, referindo-se a Enderson Moreira, treinador alvinegro que ele demitiu quando assumiu.

Nas redes sociais, John Textor, que deu a entrevista em inglês, afirmou que as traduções feitas acabaram por distorcer suas falas e disse que defende todos os jogadores do elenco do Botafogo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos