Já na cadeia, Gabriel Monteiro é alvo de novo pedido de prisão por crime sexual

Vereador Gabriel Monteiro (PL) é acusado de expor menores em situações sensíveis e as identificando nas redes sociais. (Foto: Divulgação/Câmara do Rio de Janeiro)
Vereador Gabriel Monteiro (PL) é acusado de expor menores em situações sensíveis e as identificando nas redes sociais. (Foto: Divulgação/Câmara do Rio de Janeiro)
  • Preso desde o começo de setembro, ex-vereador Gabriel Monteiro é alvo de nova acusação e mandado por violência sexual;

  • No segundo caso, pessoas da equipe de assessoria dele teriam sido vítimas de violência sexual e assédio;

  • A denúncia serviu de base para a cassação do vereador na Câmara do Rio de Janeiro.

O ex-vereador do Rio de Janeiro e youtuber Gabriel Monteiro, de 28 anos, está preso preventivamente desde o dia 7 de novembro, sob acusação de estupro. Já na cadeia, ele recebeu novo mandato de prisão por outro caso de violação sexual.

A nova ordem foi expedida em 8 de novembro, mas só foi divulgada nesta quarta-feira (23), por correr em segredo de Justiça. O mandato é da juíza Simone de Faria Ferraz, da 43ª Vara Criminal do Rio.

O caso foi investigado 42ª DP (Recreio dos Bandeirantes) e diz respeito a acusações de violação sexual mediante fraude e assédio sexual contra ex-assessores parlamentares de Monteiro.

Essa foi uma das justificativas apresentadas pelo Conselho de Ética da Câmara do Rio para a quebra de decoro parlamentar e posterior cassação do vereador, que perdeu o mandato em agosto de 2021.

As informações são do portal UOL que buscou a assessoria do ex-vereador, mas não obteve retorno.

Preso desde o dia 7

O primeiro mandado de prisão contra Monteiro, do dia 7, foi expedido pelo juiz Rudi Baldi Loewenkron, da 34ª Vara Criminal do Rio, após pedido do Ministério Público do Estado do Rio (MPRJ).

Nesse caso, a denúncia aponta que, no dia 15 de julho deste ano, o ex-vereador estuprou uma mulher de 23 anos.

Os dois se conheceram em uma boate na Barra da Tijuca. Segundo o MPRJ, Monteiro agiu de maneira violenta com a jovem e manteve relações sexuais com ela sem uso de preservativo, indo contra a vontade da vítima. Ainda de acordo com o documento, ele teria contaminado a mulher o vírus HPV.

Com prisão decretada, o ex-vereador se entregou à polícia em uma delegacia de Niterói. Antes disso, ele gravou um vídeo negando as acusações.