Jacarezinho: PMs passam gargalhando e gritando 'inferno' após jovem ser baleado

·2 min de leitura
Jonathan Ribeiro de Almeida, de 18 anos, morreu após ser baleado no peito no Jacarezinho/ Foto Reprodução/ Redes Sociais
Jonathan Ribeiro de Almeida, de 18 anos, morreu após ser baleado no peito no Jacarezinho/ Foto Reprodução/ Redes Sociais

Resumo da notícia

  • Após morte de jovem no Jacarezinho, policiais passaram rindo dentro de viatura

  • Jonathan, de 18 anos, morreu após ser baleado

  • Moradores tentaram socorrer o jovem, mas não resistiu

Logo após o jovem Jonathan Ribeiro, de 18 anos, ser baleado na comunidade do Jacarezinho, no Rio de Janeiro, policiais militares passaram, dentro de uma viatura, gritando e provocando outros moradores da favela. O vídeo com o registro do momento foi revelado pelo g1.

Na gravação, é possível ouvir PMs gritando: “Inferno! Vai começar a briga”.

Imagens divulgadas nas redes sociais mostram Jonathan sendo carregado por moradores, desacordado. Ele foi baleado na noite da última segunda-feira (25). O jovem de 18 anos foi levado para a UPA de Manguinhos, mas não sobreviveu. Moradores do Jacarezinho acusam policiais militares de serem os responsáveis por matar o rapaz.

Em nota enviada ao portal g1, a PM acusa Jonathan de estar com uma réplica de arma e também com drogas. A corporação também explicou que não prestou socorro ao jovem.

“Segundo os policiais, não foi possível prestar socorro ao ferido em função da reação de um grupo de moradores que arremessaram pedras e garrafas em direção à equipe. Com o ferido, havia certa quantidade de drogas e um simulacro de arma de fogo”, diz o comunicado.

O Jacarezinho está ocupado desde 19 de janeiro por forças de segurança, por causa do projeto Cidade Integrada. Em nota, a Federação das Associações de Favelas do Rio de Janeiro afirmou que a iniciativa do estado não levou a melhorias na comunidade.

Polícia investigará o caso

Moradores da região disseram que policiais do Batalhão de Polícia de Choque (BPChq) efetuaram o disparo e fugiram. Segundo testemunhas, não havia confronto entre policiais e criminosos no momento em que o jovem foi atingido.

A corporação informou que a Corregedoria acompanha o caso e que os agentes envolvidos estão sendo ouvidos pela Delegacia de Homicídios da Capital (DHC), que assumiu as investigações. Ainda de acordo com a PM, depois disso, eles também prestarão depoimentos na 1ª Delegacia de Polícia Judiciária Militar (1ª DPJM).

A perícia foi realizada no local e a arma do policial militar foi recolhida para exame pericial. Familiares e testemunhas serão ouvidas pelos agentes.

Após a confirmação da morte de Jonathan, moradores fizeram um protesto na Avenida Dom Hélder Câmara. Em alguns vídeos divulgados na internet, é possível ver populares ateando fogo em caixas de papelão e montando barricadas em chamas em vários pontos da via, que chegou a ser interditada.

O deputado federal David Miranda (PDT-RJ) postou imagens do fotógrafo Bruno Itan em um protesto na comunidade.

"Mais um jovem, pai de um bebê de 4 meses, morador do Jacarezinho morto pelas mãos do Estado! Nós não aguentamos mais tanta dor!", escreveu Miranda.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos