Jade Picon: cirurgião da influenciadora explica procedimento para tratar disfunção na mandíbula

A influenciadora digital Jade Picon realizou um procedimento médico, na noite desta terça-feira, para tratar um quadro de disfunção temporomandibular (DTM). A ex-participante do programa Big Brother Brasil, da TV Globo, falou nas redes sociais sobre o problema, que afeta o movimento da mandíbula. Segundo a artista, o tratamento durou cerca de 30 minutos, foi bem sucedido e ela já está em casa.

— Eu tenho uma disfunção, acho que é DTM que chama, estou com medo de falar coisa errada. Vou fazer uma infiltração aqui para me ajudar com o problema que é gerado por estresse, enfim, que já tem um tempo que está me incomodando e estou muito nervosa. É uma coisa muito simples, tipo 30 minutos mas tenho trauma de agulhas e não gosto dessas coisas. Mas preciso fazer, é para minha saúde, para meu bem-estar — disse a ex-BBB.

O cirurgião bucomaxilofacial Magno Liberato e o cirurgião-dentista Rafael Puglisi foram os responsáveis pelo procedimento de Jade no Instituto Odontológico Guy Puglisi, em São Paulo. Liberato explicou ao GLOBO que a DTM é um problema de saúde que afeta a articulação temporomandibular (ATM), mecanismo responsável por movimentos com a mandíbula. O quadro pode ser causado por hábitos repetitivos que afetam negativamente a região, como apertar muito os dentes durante o sono – geralmente ligado a casos de bruxismo –, roer unhas, entre outros.

— A DTM é um funcionamento errado dessa articulação do maxilar, que atua em todo movimento que a mandíbula faz. E usamos a mandíbula para tudo, para falar, sorrir, mastigar. Então em pacientes que sobrecarregam essa articulação, isso pode acabar provocando um quadro de inflamação no local. No caso da Jade, foi motivado pelo estresse, o que leva as pessoas a fazerem quadros de apertamento dentário, a hábitos como roer unha, morder caneta, que com o tempo provocam os danos na articulação — explica Liberato.

O tratamento da DTM varia de acordo com o paciente e com o quadro apresentado. Em casos mais leves, por exemplo, pode envolver somente o controle dos fatores que estão causando o problema, sessões de fisioterapia ou o uso noturno de uma placa de acrílico, conhecida como placa de mordida, que impede o apertar dos dentes durante a noite.

— Quando o diagnóstico é feito, precisamos investigar o nível do problema, por um exame de ressonância magnética que mostra o grau de inflamação. Com isso, avaliamos qual é o melhor tratamento. Os mais comuns são o uso da placa de mordida e a fisioterapia. A cirurgia é sempre a última alternativa, sempre buscamos as técnicas menos invasivas — diz o especialista.

Uma dessa opções menos invasivas são as infiltrações, tratamento que foi realizado por Jade Picon. Elas são feitas com a inserção de substâncias capazes de reduzir a inflamação da musculatura. Liberato conta que, como a influencer tem medo de agulhas, foi feita uma sedação com óxido nitroso antes do procedimento.

— A infiltração intra-articular pode ser feita tanto com corticoide como com ácido hialurônico, que são substancias que diminuem a inflamação na articulação para aliviar os sintomas. Mas cada paciente vai ser tratado de uma forma, não existe resposta única para todos. Além disso, é preciso descobrir o que causou a inflamação e atuar na causa dela, porque uma coisa é tratar o sintoma, outra é a causa. Nós esperamos que com a sessão de infiltração as dores melhorem e que seja possível que outros tratamentos previnam o reaparecimento da inflamação. Mas, no caso de necessidade, é possível reaplicar a infiltração num período de ao menos seis meses de intervalo — explica o cirurgião.

Para realizar o tratamento adequado, ele reforça que é preciso buscar um especialista, que poderá realizar o diagnóstico do quadro e indicar a melhor maneira para resolvê-lo. A cirurgiã-dentista Danielly Moura, especialista em implante e prótese pela Universidade Europeia Miguel de Cervantes (UEMC), explica que os sintomas são principalmente ligados a dores e desconforto na região.

— É um quadro caracterizado pela dor pela mobilidade comprometida da articulação da mandíbula e dos músculos ao redor. Então, dores no maxilar, dificuldade de mastigar e estalos ou travamentos das articulações da mandíbula são alguns dos sintomas — diz a especialista, CEO da harmonyface cursos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos