Covid-19: Na contramão de Bolsonaro, presidente argentino recebe 1ª dose de vacina russa

·2 minuto de leitura
Foto: Esteban Collazo/Prensa Presidencial de Argentina, vía AP
Foto: Esteban Collazo/Prensa Presidencial de Argentina, vía AP

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, recebeu a primeira dose da vacina contra Covid-19 Sputnik V em um hospital no oeste da Grande Buenos Aires, segundo um comunicado oficial.

A medida foi tomada um dia depois de a agência reguladora de medicamentos argentino Anmat recomendar ao Ministério da Saúde a aplicação da vacina russa em pessoas de mais de 60 anos.

Leia também

"O mandatário nacional reafirmou a segurança e eficácia da vacina e reiterou que sua prioridade é que (ela) chegue à maioria dos argentinos no menor tempo possível", disse um comunicado da Presidência.

A nota acrescenta que o chefe de Estado "quer contar com todas as vacinas que estejam à disposição e destacou o trabalho realizado para obter a aprovação que a Anmat finalmente deu ontem (quarta-feira) à vacina Sputnik V para os maiores de 60 anos".

Segundo a Anmat, a vacina mostrou uma taxa de eficácia de 91,8% nesta faixa etária.

No final de semana, chegou à Argentina um segundo lote de 300 mil doses da Sputnik V para levar adiante um esquema de vacinação planejado pelo país para controlar o avanço da pandemia.

A Argentina espera receber no restante de janeiro outras cinco milhões de frascos da vacina russa de duas doses, e em fevereiro 14,7 milhões de doses adicionais.

O Paraguai se converteu nesta semana no oitavo país, fora a Rússia, a aprovar a Sputnik V, desenvolvida pelo Instituto Gamaleya de Moscou. Outros países que aprovaram o uso emergencial da vacina são Bolívia, Venezuela, Argélia e Sérvia.

Os casos positivos de Covid-19 na Argentina totalizavam 1.831.681 até quarta-feira, e os mortos chegavam a 46.216, de acordo com o Ministério da Saúde.

***Por Jorge Otaola, da Reuters