Eficácia das vacinas está “acima de dúvidas”, responde China a Bolsonaro

Em participação no 'Flow Podcast', Bolsonaro voltou a atacar, sem provas, as vacinas chinesas contra a Covid-19 - Foto: YouTube / Reprodução
Em participação no 'Flow Podcast', Bolsonaro voltou a atacar, sem provas, as vacinas chinesas contra a Covid-19 - Foto: YouTube / Reprodução

O porta-voz do Ministério de Relações Exteriores da China, Wang Wenbin, agirmou que a eficácia das vacinas chinesas contra a Covid-19 está acima de qualquer dúvida. Sem mencionar o presidente Jair Bolsonaro (PL), o governo chinês reagiu dessa forma às acusações do mandatário de que o país asiático teria dificuldades em conter a propagação da doença. As informações são do blog de Marcelo Ninio, do O Globo.

“A eficácia das vacinas chinesas e a eficiência das medidas anti-Covid da China, conforme testemunhou a comunidade internacional, estão acima de dúvidas”, disse Wang.

Durante participação no Flow Podcast na última segunda-feira, 8, o presidente brasileiro reafirmou não ter tomado a vacina e desdenhou dos imunizantes chineses sugerindo que a “crise de Covid na China” comprovariam a ineficácia do imunizante chinês.

A CoronaVac, produzida pelo laboratório chinês Sinovac, foi a primeira vacina aplicada no Brasil contra a Covid-19. Mas, desde o início, o imunizante foi visto com desconfiança pelo mandatário. Em 2020, Bolsonaro chegou a vetar a compra do imunizante, que é produzido em parceria com o Instituto Butantan.

Questionado sobre as dúvidas levantadas pelo chefe do Executivo brasileiro, o porta-voz chinês citou um estudo do Butantan em Serrana, interior de São Paulo (SP). Na amostra, a aplicação da vacina em toda a população adulta do município fez os casos sintomáticos da doença caírem 80%. As internações foram reduzidas em 86% e as mortes em 95%.

“Desde o início da Covid-19, a China e o Brasil mantiveram uma sólida cooperação na luta contra a pandemia. As vacinas chinesas tiveram um papel positivo contra a Covid no Brasil”, acrescentou o representante chinês.

O gigante asiático adota uma das estratégias mais rígidas de controle da pandemia no mundo, com rastreamento, aplicação de testes e isolamentos para evitar grandes surtos.

Pelas estatísticas oficiais, quase 90% dos chineses já receberam a aplicação de pelo menos uma dose de imunizantes nacionais e 56% tomaram a dose de reforço.

Líderes mundiais do país estão vacinados, como o presidente Xi Jinping, de 69 anos, que confirmou a imunização para incentivar os idosos a buscarem a vacina.

Desde o início da pandemia, a China registrou 5.226 mortes em decorrência da Covid-19, adotando a política de “Covid zero dinâmica”. Já o Brasil atingiu no último sábado, 6, a marca de 680 mil mortes pela doença.