Bolsonaro com Covid-19: por que anúncio gera tanta desconfiança?

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·4 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
O presidente Jair Bolsonaro. Foto: Andressa Anholete/Getty Images
O presidente Jair Bolsonaro. Foto: Andressa Anholete/Getty Images

Jair Bolsonaro diz que testou positivo para coronavírus.

O “diz” aqui não é acessório.

Na segunda quinzena de março, quando voltou de viagem para os EUA, 23 pessoas de sua comitiva voltaram infectadas. Ele não.

A aparência do presidente nos encontros que manteve com apoiadores levantou suspeitas de que ele também estivesse contaminado e, irresponsavelmente, seguia promovendo aglomerações e boicotando os esforços pelo isolamento. Depois de idas e vindas, ele apresentou ao Supremo Tribunal Federal, em maio, laudos que atestavam que seus exames tiveram resultado negativo. Ambos foram feitos com codinomes.

E nos siga no Google News:

Yahoo Notícias | Yahoo Finanças | Yahoo Esportes | Yahoo Vida e Estilo

Desta vez o anúncio ocorreu de livre e espontânea vontade. Ele cancelou agendas, disse que não se sentia bem e pediu a apoiadores para manterem distância.

No dia seguinte afirmou, em entrevista, que o teste deu positivo, mas que tomou hidroxicloroquina e que se sentia “perfeitamente bem”.

O anúncio, feito no dia em que o filho Flávio prestou depoimento ao Ministério Público, foi rodeado de questionamentos, como pode ser visto nas redes sociais.

Leia também

Se antes havia quem desconfiasse do estado de saúde do presidente após a viagem aos EUA, agora muitos querem ver para crer no resultado dos exames por fontes independentes.

No fim de semana, Bolsonaro celebrou com o embaixador dos EUA, o filho Eduardo e alguns de seus ministros o Dia da Independência americana. Estava sem máscara e sem a distância recomendada em relação aos presentes. Naquele dia o Brasil estava perto de registrar 65 mil mortos.

Horas depois, ele relatou os primeiros sintomas.

No início da pandemia, Bolsonaro, assim como Donald Trump, chegou a anunciar a cloroquina e a hidroxicloroquina como solução para a doença que já ceifava milhares de vidas. O presidente defendia a tese de que muitas das vítimas não morriam de Covid-19, mas por problemas associados à doença.

Ele também criticava as medidas de isolamento social e apostava que os estragos na economia fariam mais vítimas do que o vírus.

A empolgação do presidente com a cloroquina o levou a perder dois ministros da Saúde em poucos dias. Levou também o Exército a estocar cerca de 1,8 milhão de comprimidos. Há quem diga que seja o suficiente para os próximos 18 anos.

A eficácia do medicamento nunca foi comprovada e até mesmo os EUA retiraram a autorização para o tratamento.

Em seu pronunciamento, Bolsonaro parecia tentar convencer os eleitores de que estava certo quando, lá atrás, alertou para o que chamou de histeria em torno de uma “gripezinha”. Pelo próprio exemplo, poderá defender que é possível levar uma vida normal após a infecção, mais ou menos como defende que aconteça em um país em quarentena.

A credibilidade das declarações do presidente chega minada após meses de desconfianças alimentadas por ele mesmo. Quem não tem problemas de memória vai se lembrar de quando ele disse que a situação do Brasil seria muito diferente da Itália e que a região norte do país passaria imune ao coronavírus por causa do uso da cloroquina no combate à malária.

A distância entre discurso oficial e realidade foi sentida por todo mundo que perdeu alguém na pandemia.

Na última pesquisa Datafolha, divulgada no fim de julho, 46% dos entrevistados disseram “nunca” confiar no presidente, enquanto 32% confiam só às vezes. Apenas 20% reafirmaram a confiança nas palavras do capitão.

Todos, grifo meu, agora estão convictos de que Bolsonaro contraiu o vírus. Mas não sabem quando.

A esta altura da pandemia, deveria soar estranho alguém se indagar se o presidente diz mesmo a verdade quando diz estar infectado. Afinal, o que ele ganharia se estivesse mentindo sobre um assunto tão sério como seu estado de saúde? Essa desconfiança, porém, não nasceu do nada: Bolsonaro queimou o que tinha de crédito ao longo da crise.

Não custa desejar que o presidente tenha uma pronta recuperação, siga as orientações dos médicos, respeite as medidas de isolamento e seja tratado com o respeito e a consideração que ele não demonstrou com os outros 1,6 milhão de infectados em seu país.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos