Com falas homofóbicas e transfóbicas, Bolsonaro discursa a evangélicos no Maranhão

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Durante toda sua trajetória política, Bolsonaro acumula fala preconceituosas contra população LGBTQ - Foto: SERGIO LIMA/AFP via Getty Images
Durante toda sua trajetória política, Bolsonaro acumula fala preconceituosas contra população LGBTQ - Foto: SERGIO LIMA/AFP via Getty Images

O presidente Jair Bolsonaro (PL) fez um discurso na noite desta quarta-feira (13) carregado na pauta de costumes, com expressões homofóbicas e transfóbicas, em Imperatriz (MA), ao receber uma comenda em um evento evangélico —segmento que é uma de suas apostas na campanha pela reeleição.

Ele defendeu que "o Joãozinho seja Joãozinho a vida toda", que "a Mariazinha seja Maria a vida toda" e repetiu que o seu modelo de família é composto por "homem, mulher e prole".

Ao defender barrar projetos de lei que não sejam conservadores, disse que no governo Lula (PT) houve tentativa de "desconstrução da heteronormatividade".

"O que nós queremos é que o Joãozinho seja Joãozinho a vida toda. A Mariazinha seja Maria a vida toda, que constituam família, que seu caráter não seja deturpado em sala de aula."

Em 2011, ainda como deputado, disse: "Seria incapaz de amar um filho homossexual. Não vou dar uma de hipócrita aqui. Prefiro que um filho meu morra num acidente do que apareça com um bigodudo por aí."

Em 2019, em conversa com jornalistas, afirmou: "Quem quiser vir aqui [ao Brasil] fazer sexo com uma mulher, fique à vontade. O Brasil não pode ser um país de turismo gay. Temos famílias".

Em diferentes oportunidades nesta quarta, o presidente falou que seus adversários defendem o aborto.

"O que alguns querem para o nosso Brasil? Querem aprovar o aborto como se fosse a extração de um dente. Dizem que isso é questão de saúde e não uma questão de acreditar que a vida começa na concepção", disse Bolsonaro.

Ele voltou a bater na tecla do aborto ao projetar as duas vagas que o próximo presidente indicará ao STF (Supremo Tribunal Federal) em 2023. Disse que pretende colocar "gente que pensa exatamente como nós, que tem a nossa crença" e que jamais indicaria "um abortista".

Bolsonaro também falou sobre a atuação dos ministros indicados por ele ao STF: André Mendonça e Kassio Nunes Marques.

Sobre o primeiro, a quem se refere como pastor, disse que ele seria "um freio que colocamos lá dentro". Sobre Kassio, falou que nem fala com o ministro, pois ele "sabe o que tem que fazer".

"Fiz uma promessa de campanha que era indicar um terrivelmente evangélico para o STF e assim o fiz. Indicamos e lá temos um pastor [Mendonça]. Que é um ser humano. Pode errar. Mas tenho certeza: as pautas conservadoras estarão com ele. O ativismo judicial não será aprovado porque esse pastor tem o poder de pedir vistas aos processos", disse Bolsonaro.

Bolsonaro foi convidado para participar da 35ª Assembleia Geral Ordinária da Convenção dos Ministros das Igrejas Evangélicas Assembleia de Deus do Seta no Maranhão e outros Estados da Federação (Comadesma), ocorrida no Templo Central da Assembleia de Deus de Imperatriz, um prédio de quase um quarteirão com capacidade para 12 mil pessoas.

Imperatriz é considerada reduto bolsonarista no Maranhão graças, sobretudo, à comunidade evangélica.

A Assembleia de Deus é a igreja mais tradicional de Imperatriz e, desde 2018, apoia Bolsonaro. A cidade é uma das três entre os 217 municípios maranhenses em que Bolsonaro venceu o segundo turno das eleições 2018. Foi o município em ele que teve maior diferença de votos: fez 70.936 votos (55% dos válidos), 12.882 a mais do que Fernando Haddad (PT).

***Por Ananda Portilho, da Folhapress

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos