Sabor da Casa: Bolsonaro pagou R$ 109 mil em restaurante com marmita a R$ 17

Ao todo, Bolsonaro $ 27,6 milhões enquanto ocupava a Presidência

Governo Lula liberou, via Lei de Acesso à Informação, gastos do cartão corporativo do governo Bolsonaro - Foto: Andressa Anholete/Getty Images
Governo Lula liberou, via Lei de Acesso à Informação, gastos do cartão corporativo do governo Bolsonaro - Foto: Andressa Anholete/Getty Images
  • Maior gasto único com alimentação de Bolsonaro em cartões corporativos foi em restaurante que serve marmitas a R$ 17;

  • No estabelecimento, ex-mandatário teria pago R$ 109 mil em um único dia;

  • Ao todo, Bolsonaro $ 27,6 milhões com cartões corporativos enquanto ocupava a Presidência da República.

Em um único dia, o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) gastou R$ 109.266,00 no restaurante Sabor da Casa, um empreendimento de pequeno a médio porte localizado no centro de Boa Vista, em Roraima. A despesa é a maior entre os gastos únicos registrados no cartão da Presidência entre os anos de 2019 a 2022.

Ao todo, o ex-mandatário usou R$ 27,6 milhões com cartões corporativos enquanto governava o país.

Quando termina um mandato presidencial, a legislação determina que os dados da Presidência sejam tornados públicos, o que ocorreu no último dia 6. Com isso, a agência Fiquem Sabendo divulgou nesta sexta-feira (12) a lista de gastos do governo.

Pratos de R$ 17 a R$ 50

Econômico, o restaurante Sabor da Casa oferece uma opção de marmita a R$ 17 (econômica) e outra de R$ 23 (tradicional). O carro chefe da casa é um frango assado com farofa e baião, que serve até três pessoas, e custa R$ 50.

Dessa forma, o valor pago pela Presidência poderia ter pago, em um só dia, 6,4 mil marmitas econômicas. Ou então 4,7 mil marmitas tradicionais. Ou, ainda, 2,1 mil encomendas de frango assado com farofa e baião.

A visita de Bolsonaro a Roraima ocorreu no dia 26 de outubro de 2021. Na ocasião, segundo informações levantadas pelo portal UOL, ele desembarcou em Boa Vista por volta de 9h40. Lá, visitou um abrigo para imigrantes venezuelanos, participou de um encontro com indígenas, almoçou com o comando do Exército na região e participou de um culto de comemoração pelo aniversário da Igreja Assembleia de Deus. O retorno a Brasília ocorreu no fim da tarde.

Ao colunista do UOl, Thiago Herdy, o restaurante confirmou a compra feita pela equipe do então mandatário.

"Eles solicitaram almoço e uns kits de lanche para atender à equipe de segurança. Era um kit bem completo, com pão, queijo, presunto, fruta, água e biscoito", disse ao UOL.

A proprietária não demonstrou estranhamento com o valor, mas disse não lembrar “exatamente” a quantidade de kits de almoço e lanches entregues no dia à equipe de Bolsonaro.

A dona do restaurante, não identificada pela coluna, também afirmou que os valores seguiram o “padrão de preços da cidade.

Após pedir tempo para buscar detalhes sobre o pedido, a proprietária não atendeu mais as ligações da equipe do UOL.